Cinema

Quatro filmes para ver esta semana

O filme de super-heróis "Aquaman", uma nova animação digital com o Homem-Aranha, "Colette", com Keira Knightley, e "Roma", de Alfonso Cuarón, são as escolhas desta semana de Eurico de Barros.

Jason Momoa em "Aquaman", de James Wan, a nova produção de super-heróis, agora com o selo da DC

Autor
  • Eurico de Barros

“Aquaman”

Depois de participações secundárias em filmes de super-heróis com o selo da DC como “Batman Vs Super-Homem: O Despertar da Justiça” e “Liga da Justiça”, Aquaman tem finalmente direito ao seu filme, realizado por James Wan, o criador de séries de terror como “Saw” ou “A Evocação”, que se estreia aqui numa superprodução deste género. Jason Momoa interpreta Aquaman, a identidade heróica de Arthur Curry, o filho de um faroleiro que é na realidade o herdeiro do trono do mítico reino subaquático da Atlântida, e vai ter que liderar o seu povo contra o seu meio-irmão, Orm. Este quer unir todos os reinos marinhos sob o seu comando e declarar guerra ao mundo da superfície, invocando que está a poluir os mares. No elenco de “Aquaman” encontramos ainda Nicole Kidman, Willem Dafoe, Amber Heard, Patrick Wilson e Dolph Lundgren.

“Homem-Aranha: No Universo Aranha”

A primeira versão animada do Homem-Aranha data de 1967, numa série televisiva que apresentava as limitações gráficas, técnicas e económicas da altura. A diferença desse “Homem-Aranha” de há mais de 50 anos para este “Homem-Aranha: No Universo Aranha”, elaborado em animação digital para o cinema, é colossal. Além disso, este filme não se limita a ter um só Homem-Aranha, o nosso conhecido Peter Parker, já que a história, envolvendo dimensões paralelas que se abrem à nossa, põe em cena tantos Homens-Aranha quantos essas dimensões permitem – incluindo uma Mulher-Aranha adolescente e uma Menina-Aranha em estilo “anime” -, e mais um novinho em folha, o jovem Miles Morales (voz de Shameik Moore). Nicolas Cage, Chris Pine, Hailee Steinfeld e Liev Schreiber são outros actores  que participam vocalmente nesta animação.

“Colette”

Em 1991, Danny Huston realizou “Becoming Colette”, um filme biográfico desenxabido sobre a escritora francesa Colette, com Mathilda May no papel principal e Klaus Maria Brandauer no do seu marido Willy. Este novo filme sobre a autora da série “Claudine”, assinado por Wash Westmoreland (“O Meu Nome é Alice”), com Keira Knightley personificando a escritora e Dominic West como Willy, não adianta praticamente nada em relação ao de Huston, acrescentando apenas uns pózinhos feministas à arrumadinha descrição do período de vida e actividade literária de Colette que se propõe cobrir. A morneza em que “Colette” banha abrange mesmo a interpretação de Knightley, e a bota do elenco todo ele britânico não dá lá muito bem com a perdigota dos ambientes franceses e dos textos de Colette visualizados em francês.

“Roma”

Desde 2001, e “E a tua Mamã Também”, que Alfonso Cuarón não filmava no seu México natal. Voltou lá agora, e à sua infância, no início dos anos 70, para rodar “Roma”, uma produção da Netflix vencedora do Festival de Veneza, que leva o título do já um pouco decadente bairro de classe média da Cidade do México onde viveu com a família numerosa (pai, mãe, avó, dois irmãos, uma irmã e duas criadas, mais um cão). O filme teria que ser rodado a preto e branco, que para o realizador são as cores do passado, e ter como principal protagonista, pivô narrativo e emocional e filtro das memórias do próprio Cuarón, uma das duas criadas índias da família, Cleo (o seu modelo chama-se Libo, ainda hoje é viva e “Roma” é-lhe dedicado). “Roma” foi escolhido como filme da semana pelo Observador, e pode ler a crítica aqui.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)