Clima

Quinze organizações internacionais comprometeram-se a reduzir a zero emissões de gases poluentes

Quinze organizações internacionais comprometeram-se a reduzir a zero as suas emissões líquidas de gases poluentes, que atualmente representam mais de dois milhões de toneladas de CO2 por ano.

Estas entidades unem-se à estratégia adotada em 2007 pela ONU e todas as suas agências, que pretendem reduzir a zero as suas emissões líquidas até 2020

FEHIM DEMIR/EPA

Quinze organizações internacionais, da OCDE ao Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC), comprometeram-se esta quarta-feira a reduzir a zero as suas emissões líquidas de gases poluentes, que atualmente representam mais de dois milhões de toneladas de CO2 por ano.

As instituições assumiram o compromisso no âmbito da conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre alterações climáticas (COP24), em Katowice, na Polónia, onde representantes de 197 países tentam, desde 3 de dezembro, chegar a acordo sobre pormenores do Acordo de Paris para combater o aquecimento global.

“As organizações vão medir as suas emissões de gases de efeito de estufa, reduzi-las ao máximo e compensar as que são indispensáveis com créditos de carbono” e o objetivo, além de reduzir o impacto ambiental da sua atividade, é “dar um importante exemplo que possa inspirar todos os setores da sociedade”, referem as organizações num comunicado citado pela agência de notícias Efe.

Além da OCDE e da WTTC, a iniciativa inclui o Banco Europeu de Investimento, o Banco de Desenvolvimento da África Oriental, o Banco de Desenvolvimento da África Ocidental, o Banco Asiático de Desenvolvimento, o Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento e o Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Também se comprometeram a Organização Latino-americana da Energia, o Secretariado de Mercados Comuns da África Oriental e Austral, o Comité Paralímpico Internacional, o Secretariado da Comunidade Sul-africana para o Desenvolvimento e a Comunidade Pacífica-Governos Locais para a Sustentabilidade.

Com este compromisso, estas entidades unem-se à estratégia adotada em 2007 pela ONU e todas as suas agências, que pretendem reduzir a zero as suas emissões líquidas até 2020.

Entretanto, também em Katowice, uma coligação de países industrializados e em vias de desenvolvimento exigiu hoje na conferência COP24 aumente a ambição do texto final que está a ser negociado, ao considerar o atual insuficiente.

A denominada Coligação de Elevada Ambição reivindicou, numa conferência de imprensa conjunta dos seus ministros, o papel da ciência no debate sobre o aquecimento global, assumindo uma posição numa das maiores controvérsias deste encontro multilateral.

O ministro do Meio Ambiente das Ilhas Marshall (na Oceânia), David Paul, exigiu uma “decisão clara” como resultado desta COP24, que estabeleça os “novos passos” que os países têm de dar na luta contra as alterações climáticas.

Esta cimeira, referiu, deve dar origem a um “livro de regras sólido”, que permita a implementação do Acordo de Paris, que estabeleceu que os países limitariam a subida das temperaturas abaixo de dois graus centígrados em relação aos níveis pré-industriais.

O comissário europeu da Ação Climática e Energia, Miguel Arias-Cañete, assegurou que a União Europeia continuará a pressionar para que haja mais ambição no texto que está a ser negociado em Katowice.

A Coligação de Elevada Ambição é formada por: Argentina, Canadá, Costa Rica, Dinamarca, Etiópia, União Europeia Fiji, Finlândia, França, Alemanha, Granada, Itália, Jamaica, Luxemburgo, Macedónia, Ilhas Marshall, México, Mónaco, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Portugal, Santa Lúcia, Espanha, Suécia e Reino Unido.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)