Instituto Nacional Estatística

Rendimento da atividade agrícola deve aumentar 0,6% em 2018

O rendimento da atividade agrícola em Portugal deverá aumentar 0,6% em 2018, face a 2017, após um crescimento de 5,4% no ano passado, segundo estimativas do Instituto Nacional de Estatística.

Atividade agrícola no país deverá aumentar 0,6% em 2018, face ao ano passado

CHRISTIAN BRUNA/EPA

O rendimento da atividade agrícola em Portugal deverá aumentar 0,6% em 2018, face a 2017, após um crescimento de 5,4% no ano passado, segundo a primeira estimativa das contas económicas da agricultura esta quinta-feira divulgada pelo INE.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), esta evolução estimada “resulta fundamentalmente da combinação de um aumento de 3,5% perspetivado para o Valor Acrescentado Bruto (VAB) com um decréscimo de 2,9% dos outros subsídios à produção”. “A evolução nominal prevista para o VAB resulta do efeito conjugado do acréscimo da produção do ramo agrícola (+1,6%), mais acentuado do que o do consumo intermédio (+0,4%)”, refere o INE.

Contudo, acrescenta, “em termos reais, estima-se uma diminuição do VAB (-1,5%), refletindo uma redução mais pronunciada do volume da produção comparativamente com a do consumo intermédio (-1,2% e -1,0%, respetivamente)”.

O aumento nominal da produção do ramo agrícola em 2018 resultou de acréscimos quer da produção vegetal (+0,9%), quer da produção animal (+2,2%), tendo-se registado, em termos globais, um decréscimo do volume (-1,2%) e um aumento dos preços de base (+2,8%). Já os preços no produtor e os subsídios ao produto aumentaram 2,9% e 0,9%, respetivamente.

Em 2018, o consumo intermédio deverá apresentar um “ligeiro acréscimo” em valor (+0,4%), em resultado de uma diminuição em volume (-1,0%) e de um aumento de preços (+1,4%), devendo-se esta evolução “sobretudo ao aumento dos alimentos para animais (+2,4%), da energia (+1,3%) e dos adubos e corretivos do solo (+7,5%)”.

“Estima-se que o consumo de alimentos para animais tenha aumentado em volume (+2,0%), com aumentos nos alimentos simples e compostos”, reporta o INE, acrescentando que “o aumento da produção pecuária, em particular de bovinos, conduziu a um consumo mais elevado de alimentos para animais”. Já o preço dos alimentos para animais deverá ter sido este ano “ligeiramente superior” ao de 2017 (+0,3%), refletindo o aumento de preço dos alimentos compostos (+1,8%).

Segundo o instituto estatístico, a importância relativa do ramo agrícola na economia nacional deverá manter-se em 2018 nos 1,7%, estimando-se também que o volume de mão-de-obra agrícola se mantenha em valores próximos do ano passado (+0,3%).

Numa comparação internacional, o INE reporta que, entre os triénios 2000-2002 e 2015-2017, o peso do VAB do ramo agrícola no VAB nacional “decresceu na generalidade dos Estados membros e na União Europeia a 27, mantendo-se Portugal acima da média europeia (1,6% versus 1,3%)”.

Já o rendimento da atividade agrícola em Portugal evoluiu, entre os triénios de 2001-2003 e 2015-2017, “de forma menos favorável do que a média dos Estados-membros (+30,9% versus +42,6%), ultrapassando, no entanto, países mediterrânicos como França, Espanha, Itália e Grécia”. Em 31 de janeiro de 2019, o INE irá disponibilizar uma segunda estimativa das contas económicas da agricultura.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)