Rádio Observador

Nações Unidas

Conselho de Segurança das Nações Unidas renova por um ano missão de paz na República Centro-Africana

O Conselho de Segurança das Nações Unidas renovou a missão de paz na República Centro-Africana e poderá vir a ter no ativo 11.650 militares e 2.080 polícias.

Militares portugueses no centro de comando da EUTM em Bangui na República Centro-Africana.

Tiago Petinga/LUSA

O Conselho de Segurança das Nações Unidas renovou na quinta-feira a missão de paz na República Centro-Africana (RCA) até 2019, após difíceis negociações entre a França, os Estados Unidos da América e a Rússia. Redigida pela França, a resolução foi aprovada por 13 dos 15 membros do Conselho de Segurança, com a abstenção da Rússia e da China, prevendo-se a manutenção da missão na RCA até 15 de novembro de 2019, que pode ter até 11.650 militares e 2.080 polícias.

Em novembro, data limite para a renovação da missão, o Conselho de Segurança apenas efetuou uma renovação técnica por um mês, devido a objeções da Rússia e dos Estados Unidos. A administração do Presidente norte-americano, Donald Trump, pediu para consultar o Congresso e que nenhum custo adicional fosse gerado para o prolongamento da missão das Nações Unidas, tendo recebido a ‘luz verde’ necessária.

A crítica mais severa surgiu da Rússia, que aumentou em 2018 os seus compromissos bilaterais na República Centro-Africana, com o fornecimento de armas, treino de soldados e proteção da presidência deste Estado, antiga colónia francesa.

Moscovo queria um reconhecimento explícito dos seus esforços e que os soldados treinados pela Rússia beneficiassem de apoio da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA).

A resolução aprovada sublinha “a necessidade de fortalecer a coordenação de todos os esforços e iniciativas sob a liderança da União Africana”. O texto reconhece, também, o papel da Rússia na formação das forças de segurança da RCA.

Portugal participa na MINUSCA, comandada pelo tenente-general senegalês Balla Keita, que já classificou as forças portuguesas como os seus ‘Ronaldos’.

“Ronaldo é o melhor jogador do mundo e quando as nossas tropas são classificadas de ‘Ronaldos’ isso tem uma leitura muito clara. Sentimos orgulho pela forma como o seu trabalho é reconhecido”, disse o ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, à agência Lusa.

Portugal tem atualmente 214 militares empenhados em missões na RCA, 159 dos quais na MINUSCA, uma companhia de paraquedistas e elementos de ligação e 45 na missão da União Europeia de formação e assessoria às Forças Armadas da RCA.

A República Centro-Africana caiu no caos e na violência em 2013, depois do derrube do ex-Presidente François Bozizé por vários grupos juntos na designada Séléka (que significa coligação na língua franca local), o que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas sob a designação anti-Balaka.

O conflito neste país, com o tamanho da França e uma população que é menos de metade da portuguesa (4,6 milhões), já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados, e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária.

O Governo do Presidente, Faustin-Archange Touadéra, um antigo primeiro-ministro que venceu as presidenciais de 2016, controla cerca de um quinto do território. O resto é dividido por 18 milícias que, na sua maioria, procuram obter dinheiro através de raptos, extorsão, bloqueio de vias de comunicação, recursos minerais (diamantes e ouro, entre outros), roubo de gado e abate de elefantes para venda de marfim.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)