Narcotráfico

Estudo da UE sobre narcotráfico alerta que crime organizado tem ‘uberizado’ a entrada de cocaína na Europa

O Centro Europeu de Monitorização para Drogas e Adição tem alertado para o aumento da criminalidade relacionada com o narcotráfico na Europa. E fala em "uberização"

AFP/Getty Images

A criminalidade relacionada com o narcotráfico na Europa está a aumentar cada vez mais. Desde homicídios, ao aumento de afiliações e extensão de área de influência dos grupos criminosos, o Centro Europeu de Monitorização para Drogas e Adição tem alertado para a entrada cada vez mais rápida de cocaína (mais pura) no espaço europeu.

O relatório feito por esta agência de monitorização europeia sediada em Lisboa afirma que a ‘uberização‘ da cocaína — por ser vendida rapidamente, em qualquer sítio e a qualquer hora, tal como chamar um ‘uber’ — deve-se à canalização de esforços dos cartéis sul-americanos para atuarem no mercado europeu, que associados a grupos criminosos provenientes dos Balcãs e do Norte de África, conseguem movimentá-la mais eficazmente do que nunca.

A fragmentação do comércio de cocaína na Europa parece resultar das rivalidades entre grupos de crime organizado, dentro e fora das fronteiras territoriais onde estes grupos operam”, “uma das consequências que se tem verificado foi o aumento do número de homicídios relacionado com o tráfico de droga”, diz o relatório.

Estes grupos têm novos métodos de transporte mais sofisticados. Recebem os pedidos num call center e fazem as entregas através de ‘correios’ que levam a droga aos clientes pessoalmente. Segundo o The Guardian, este método foi já registado pelas autoridades em países como a Inglaterra, França e a Bélgica, nos quais os compradores telefonam aos centros de atendimento, localizados em Espanha e nos Balcãs, para encomendar as suas doses.

“Estes novos métodos, que refletem a ‘uberização’ do tráfico de cocaína, são um sinal claro de que o mercado negro está cada vez mais competitivo. Agora os vendedores têm de prover mais do que o produto aos compradores. Têm uma entrega rápida, em qualquer lado e a qualquer hora”, afirma o relatório do Centro Europeu de Monitorização para Drogas e Adição.

O facto do abastecimento de cocaína ter vindo a aumentar, coincidiu com a mudança de pontos entrega para os grandes carregamentos durante os últimos anos. Se, por um lado, antes se verificava que os portos da Península Ibérica eram os locais de passagem escolhidos pelos cartéis, agora, verifica-se uma maior incidência nalguns dos grandes portos do norte da Europa, como por exemplo na Bélgica, na França e na Alemanha.

É o caso do caso do Porto de Antuérpia, na Bélgica, que é um dos maiores pontos de entrada de cocaína na Europa. Só em 2017, foram apreendias lá 41 toneladas de cocaína, pondendo-se considerar um número preocupante dado que em 2016 foram apreendidas 70,9 toneladas em toda a Europa.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Obituário

O meu amigo Augusto Cid

Alexandre Patrício Gouveia

Sem Augusto Cid Camarate teria, para sempre, sido descrito como mero acidente, e os portugueses teriam vivido com uma mentira relativamente à morte do seu primeiro-ministro e do seu ministro da Defesa

Crónica

Mais 5 dias inúteis /premium

Alberto Gonçalves

Claro que o ar do tempo começa a tornar-se irrespirável e que uma sociedade fundamentada na desconfiança e na delação não promete um futuro risonho. Claro que me apetecia fazer queixa. Mas a quem?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)