A Marinha do Brasil lançou esta sexta-feira ao mar o primeiro dos cinco submarinos em construção no país, um dos quais de propulsão nuclear, com o Presidente brasileiro a garantir que o objetivo é apenas de defesa da soberania nacional.

O submarino “Riachuelo”, com 72 metros de comprimento e capacidade para acomodar 35 membros da tripulação durante 70 dias a cerca de 300 metros de profundidade, foi batizado e lançado ao mar numa cerimónia que contou com a presença do chefe de Estado do Brasil, Michel Temer, e do Presidente eleito, Jair Bolsonaro.

“O lançamento do primeiro submarino de fabricação nacional é uma fonte de orgulho para todos os brasileiros”, disse Temer.

O “Riachuelo”, que demorou 30 minutos para descer num gigantesco elevador até o mar, permanecendo a flutuar, é capaz de atingir uma velocidade de 20 nós (37 quilómetros por hora) e a sua construção resulta de um acordo de cooperação militar com a França. O submarino foi construído e lançado em Complexo Naval Itaguaí, um porto vizinho à cidade do Rio de Janeiro.

Num gesto de cortesia, o chefe de Estado em funções convidou Jair Bolsonaro a acompanhá-lo durante a ativação do mecanismo que lançou o submarino ao mar.

“País de vocação pacífica, o Brasil constrói submarinos não para ameaçar ou perturbar a paz de águas internacionais, mas porque, por ter mais de 8.500 quilómetros de costa, não pode prescindir de defender sua soberania e sua riqueza marinha”, disse Temer.

Os quatro submarinos convencionais que ainda estão a ser fabricados pelo Brasil são modelados no Scorpene francês, que é ligeiramente menor (com 66,4 metros), e tem propulsão diesel-elétrica.

Após o lançamento, o submarino “Riachuelo” será submetido a testes de flutuabilidade e estabilidade por pelo menos dois anos até poder ser incorporado na frota submarina da Marinha do Brasil.

O submarino é o primeiro fruto do contrato de transferência de tecnologia e militar cooperação no valor de 6.700 milhões de euros que o Brasil assinou em 2009 com o estaleiro francês DCNS, controlada pelo Estado, para iniciar o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub).

O acordo com a França permitiu não apenas a transferência de tecnologia militar, mas também a nacionalização de equipamentos para a montagem de submarinos e a formação dos técnicos que trabalharam no projeto.

A transferência de tecnologia limitou-se ao projeto e à construção dos submarinos e da infraestrutura industrial, mas não ao desenvolvimento do propulsor nuclear, já que o Brasil possui tecnologia própria.

A previsão é de que todo o projeto esteja concluído em 2029, data em que o Brasil se tornará parte do restrito grupo de países que domina a tecnologia de propulsão nuclear para submarinos, dos quais fazem apenas a China, Estados Unidos, França, Inglaterra, Rússia e Índia.