Brasil

Michel Temer diz que o programa de submarinos brasileiro é apenas para defesa da soberania

117

A Marinha brasileira lançou ao mar o primeiro dos cinco submarinos que tem construção, um dos quais de propulsão nuclear. O chefe de Estado do país garante que é apenas para defesa da soberania.

O submarino "Riachuelo" tem 72 metros de comprimento e tem capacidade para acomodar 35 pessoas durante 70 dias

MARCELO SAYAO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Marinha do Brasil lançou esta sexta-feira ao mar o primeiro dos cinco submarinos em construção no país, um dos quais de propulsão nuclear, com o Presidente brasileiro a garantir que o objetivo é apenas de defesa da soberania nacional.

O submarino “Riachuelo”, com 72 metros de comprimento e capacidade para acomodar 35 membros da tripulação durante 70 dias a cerca de 300 metros de profundidade, foi batizado e lançado ao mar numa cerimónia que contou com a presença do chefe de Estado do Brasil, Michel Temer, e do Presidente eleito, Jair Bolsonaro.

“O lançamento do primeiro submarino de fabricação nacional é uma fonte de orgulho para todos os brasileiros”, disse Temer.

O “Riachuelo”, que demorou 30 minutos para descer num gigantesco elevador até o mar, permanecendo a flutuar, é capaz de atingir uma velocidade de 20 nós (37 quilómetros por hora) e a sua construção resulta de um acordo de cooperação militar com a França. O submarino foi construído e lançado em Complexo Naval Itaguaí, um porto vizinho à cidade do Rio de Janeiro.

Num gesto de cortesia, o chefe de Estado em funções convidou Jair Bolsonaro a acompanhá-lo durante a ativação do mecanismo que lançou o submarino ao mar.

País de vocação pacífica, o Brasil constrói submarinos não para ameaçar ou perturbar a paz de águas internacionais, mas porque, por ter mais de 8.500 quilómetros de costa, não pode prescindir de defender sua soberania e sua riqueza marinha”, disse Temer.

Os quatro submarinos convencionais que ainda estão a ser fabricados pelo Brasil são modelados no Scorpene francês, que é ligeiramente menor (com 66,4 metros), e tem propulsão diesel-elétrica.

Após o lançamento, o submarino “Riachuelo” será submetido a testes de flutuabilidade e estabilidade por pelo menos dois anos até poder ser incorporado na frota submarina da Marinha do Brasil.

O submarino é o primeiro fruto do contrato de transferência de tecnologia e militar cooperação no valor de 6.700 milhões de euros que o Brasil assinou em 2009 com o estaleiro francês DCNS, controlada pelo Estado, para iniciar o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub).

O acordo com a França permitiu não apenas a transferência de tecnologia militar, mas também a nacionalização de equipamentos para a montagem de submarinos e a formação dos técnicos que trabalharam no projeto.

A transferência de tecnologia limitou-se ao projeto e à construção dos submarinos e da infraestrutura industrial, mas não ao desenvolvimento do propulsor nuclear, já que o Brasil possui tecnologia própria.

A previsão é de que todo o projeto esteja concluído em 2029, data em que o Brasil se tornará parte do restrito grupo de países que domina a tecnologia de propulsão nuclear para submarinos, dos quais fazem apenas a China, Estados Unidos, França, Inglaterra, Rússia e Índia.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)