Prisão

Reclusos da cadeia de Paços de Ferreira protestam contra a greve dos guardas prisionais e ateiam fogo a dois contentores de lixo

Alguns reclusos do Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira incendiaram dois contentores, como forma de protesto contra a greve dos guardas prisionais.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Autores
  • Agência Lusa
Mais sobre

Alguns reclusos da Ala A do Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira incendiaram esta sexta-feira de manhã dois caixotes de lixo. A situação foi controlada rapidamente pelos guardas prisionais e os reclusos postos nas suas celas, onde ficaram assim que o incidente foi neutralizado.

Ao JN, Vítor Ilharco, da Associação de Apoio ao Recluso, disse que “há descontentamento relativamente ao não cumprimento das decisões da Comissão Arbitral”. “Em Paços de Ferreira os reclusos queixam-se de que não podem comprar os artigos que querem na “loja” do EP. Os guardas fizeram uma lista de produtos que eles podem adquirir, que se cinge a tabaco e pasta dos dentes. E, de igual modo, foi-lhes dito que o almoço de Natal terá apenas uma hora de duração. Temo o que possa vir a acontecer quando saírem das celas”, concluiu.

Por oposição, Pedro Silvério, do Sindicato Nacional da Guarda Prisional, afirmou que os guardas “estão a cumprir na íntegra as indicações da Comissão Arbitral. Não estamos é a cumprir as ilegalidades que se foram fazendo ao longo dos anos”. “O regulamento só permite a entrada de bolos até dois quilos no dia de aniversário do recluso”, declarou ao JN.

Já a Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) garantiu à Lusa que não houve desacatos na cadeia, tendo apenas um recluso “só queimado um canto do colchão”.

A DGRSP refere ainda que “não resultaram quaisquer ferimentos ou necessidade de assistência a elementos da vigilância ou ao recluso” e a situação foi “imediatamente resolvida pelo guarda prisional presente”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Obituário

O meu amigo Augusto Cid

Alexandre Patrício Gouveia

Sem Augusto Cid Camarate teria, para sempre, sido descrito como mero acidente, e os portugueses teriam vivido com uma mentira relativamente à morte do seu primeiro-ministro e do seu ministro da Defesa

Crónica

Mais 5 dias inúteis /premium

Alberto Gonçalves

Claro que o ar do tempo começa a tornar-se irrespirável e que uma sociedade fundamentada na desconfiança e na delação não promete um futuro risonho. Claro que me apetecia fazer queixa. Mas a quem?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)