O Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral (GTAPE) da Guiné-Bissau retomou esta sexta-feira os trabalhos de apoio ao recenseamento depois de uma semana de suspensão, por ordens Ministério Público que investiga alegadas irregularidades no processo.

O diretor-geral interino do GTAPE, Cristiano Na Betam lamentou que o organismo tenha sido obrigado a parar com os trabalhos, durante uma semana, mas salientou que os técnicos tudo farão para compensar este período de suspensão. “O GTAPE é um serviço operacional, vai recuperar o tempo perdido”, defendeu Na Betam.

O responsável prometeu fazer um inventário para determinar “se tudo está como foi deixado”, quando, no passado dia 6, a polícia ordenou que técnicos do GTAPE abandonassem as instalações por determinação do Ministério Público.

A justiça timorense está a investigar denúncias de alegadas irregularidades no recenseamento eleitoral, denunciadas por vários partidos políticos.

As portas do GTAPE voltaram a reabrir, com polícias e elementos da Ecomib (soldados da África Ocidental em missão de manutenção da paz na Guiné-Bissau) junto às instalações.