A notícia tornou-se pública através do New York Post, que postou um vídeo de uma senhora apanhada a destruir um automóvel que não era o seu, primeiro com um tubo de metal e depois com o próprio carro. Aparentemente, para acertar umas contas anteriores, em que a outra condutora, segundo ela, não tinha dado provas das necessárias boas maneiras.

A acção – e que acção… – decorreu na cidade mexicana de Azcapozalco onde a mulher que se deslocava no Golf Cabriolet terá executado uma manobra que não caiu nas boas graças da outra condutora, ao volante do monovolume. Esta, pouca dada a levar faltas de consideração para casa, optou por continuar às voltas até descobrir o Golf e a respectiva proprietária.

Uma vez identificada a ‘montada’ da prevaricadora, isto segundo a condutora do Multi-Purpose Vehicle (MPV), esta decidiu colocar todo o seu peso – considerável – ao serviço da vingança. Com a ajuda de um tubo de metal, começou por bater no pára-brisas, que não viu a sua transparência melhorar depois de ter levado com o ferro meia dúzia de vezes. Quebrado o pára-brisas, o ataque prosseguiu no vidro da porta, para a seguir se concentrar no retrovisor exterior, que não se revelou à altura dos ‘miminhos’ com que foi presenteado.

Não contente em ter destruído o Golf descapotável e eventualmente já com a mão dorida de tantas pancadas desferir no Volkswagen, a condutora foi buscar o seu MPV para finalizar o trabalho. E, com o recurso a um veículo maior e mais pesado, para mais movido pela fúria, “agrediu” uma e outra vez o descapotável, deslocando-o como se fosse uma folha de papel, destruindo-o ainda mais no processo.

Curiosamente, a agressora envergava uma camisola onde é possível ler “Nice is the new cool”. O que até pode ser indiscutível, tal como é o facto da agressora de “cool” ter muito pouco e de “nice” praticamente nada.  Entretanto, a polícia local continua à procura da autora destes actos, desconhecendo nós com que sucesso.