No início da semana, o encontro entre Jonas e Ricardo Palacin, diretor da BTV, era quase inevitável: o 10 do Benfica dava os parabéns ao canal do clube pelo seu 10.º aniversário e essa comemoração teve mesmo direito a oferta de camisola do brasileiro que chegou à Luz em 2014 para se tornar um dos melhores marcadores estrangeiros da história dos encarnados. Houve algumas palavras de circunstância, uma revelação sobre um programa consigo que chegou a passar no Brasil e uma frase que explica também a áurea à sua volta. “Jogos mais marcantes? Com o P. Ferreira, com o Sp. Braga, com o V. Guimarães que nos deu o tetra. Foram momentos marcantes e, de alguma forma, fazemos parte desta história também”, disse.

O único bailinho foi o vira o disco e toca o mesmo (a crónica do Marítimo-Benfica)

Jonas nem começou a época da melhor forma. Aliás, correu o sério risco de nem começar, pelo menos na Luz: uma proposta milionária da Arábia Saudita colocou o antigo internacional brasileiro com pé e meio fora do Benfica mas o coração acabou por falar mais alto e decidiu seguir no espaço onde se sente confortável ao lado da família. Na altura, ninguém tinha dúvidas de que estava ali o principal “reforço” de Rui Vitória para a temporada mas uma arreliadora lesão ia atrasando o regresso aos relvados. Voltou na última semana de setembro, como suplente utilizado, frente ao Desp. Aves e depois esteve na mesma condição com o Desp. Chaves. Frente ao Sertanense, na Taça de Portugal, voltou à titularidade e marcou. A Pistola estava calibrada.

Benfica garante o grande “reforço” da temporada: Jonas anuncia que vai ficar na Luz

Em nove jogos como titular contando com esse triunfo na prova rainha em Coimbra, Jonas só não marcou em Munique, na goleada sofrida frente ao Bayern; de resto, cada jogo no onze, cada golo. Sertanense, Moreirense, Ajax (casa), Tondela, Arouca, Feirense, V. Setúbal. O Marítimo também não foi exceção este domingo. Nem podia ser, pelo histórico de confrontos.

Jonas chegou (e passou) os 100 golos pelo Benfica. Mas conseguiu outro feito ainda maior

Desde que chegou a Portugal, os insulares são dos adversários prediletos para o avançado de 34 anos mostrar a mira afinada. Ao todo, e em dez encontros, marcou 13 golos, três dos quais a resolverem o resultado final. Olhando apenas para o Campeonato, 11 golos em oito partidas, um número apenas igualado nos encontros em que defronta o Belenenses.

Mas este foi também um jogo importante para o Benfica quebrar um enguiço – os encarnados não marcavam de bola parada no Campeonato desde maio, quando uma grande penalidade de Jonas deu a vitória frente ao Moreirense (que valeria a subida ao segundo lugar, em virtude da derrota do Sporting com o Marítimo). Esta época tinham inclusive beneficiado de dois penáltis, desperdiçados por Ferreyra (V. Guimarães) e Salvio (Belenenses). Jonas enganou Amir e acabou com a malapata.

No total, e como mostram os dados do Playmakerstats, Jonas tem uma eficácia de 95% desde que chegou à Luz: em 20 grandes penalidades cobradas, falhou apenas uma, no Restelo, num jogo onde viria curiosamente a fazer o empate nos descontos.