Anualmente, os franceses puxam fogo a 650 veículos por ano, só em Paris. Isto quando estão felizes e imbuídos do espírito natalício, pois uma grande parte do “barbecue sobre rodas” ocorre junto ao final do ano. Digamos que é um desporto nacional, em que a “bola” é o carro alheio e, quanto mais caro, melhor.

https://www.youtube.com/watch?v=ey3YRkeOkTE

Nas mais recentes manifestações contra o Presidente Macron, os “vestes jaunes” acharam por bem destruir a propriedade alheia e, na dúvida, concentraram-se nos carros topo de gama, com destaque para os desportivos. Como os Ferrari e Lamborghini habitualmente ‘dormem’ em garagens, os mais vulgares Porsche 911, Mercedes SLS AMG e Range Rover tornaram-se vítimas da multidão. Mas também os Mini e as scooters, o que em Paris é o cúmulo da democracia no que respeita ao veículo privado.

E o resultado, conforme mostram os vídeos, não é bonito de ver, sendo particularmente dispendioso para os donos dos veículos que despertaram a fúria alheia. E se pensa que foram apenas os Porsche, os Mercedes e os BMW, saiba que não faltaram os Clio, os 208 e até os veículos comerciais, de que as empresas necessitavam no dia seguinte para laborar e gerar riqueza suficiente para pagar os ordenados aos seus empregados.

Agora que tudo indica que os coletes amarelos vão rumar a Portugal, é altura de pensar na melhor forma de proteger o seu carro, sobretudo se for mais vistoso. O que promete ser complicado, uma vez que nem as scooters estão a salvo. Isto se não quiser que acabe como estes desportivos parisienses: destruídos e, por vezes, não antes de ser assaltados.

https://www.youtube.com/watch?time_continue=1&v=kt4hP56DHUA