Petróleo

OPEP critica recusa dos Estados Unidos por permitir aumento da produção de petróleo

O secretário-geral da OPEP criticou a recusa dos Estados Unidos em permitir aumento do petróleo e sublinha que "é necessário manter a estabilidade no mercado de petróleo".

O secretário-geral da OPEP - Organização dos Países Exportadores de Petróleo, Mohammad Sabusi Barkindo

AMPE ROGÉRIO/LUSA

O secretário-geral da OPEP criticou esta segunda-feira aquilo que considerou ser a “falta de responsabilidade” dos Estados Unidos, cuja administração defende preços de petróleo nos mercados internacionais abaixo dos 50 dólares por barril.

Mohamed Sanuzi Barkindo, engenheiro nigeriano que lidera a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), falava aos jornalistas após uma reunião, em Luanda, com o conselho de administração da petrolífera angolana Sonangol, no quadro da visita de trabalho de dois dias a Angola.

“Os Estados Unidos foram afetados negativamente quando houve a crise de 2015 e 2016 e até mesmo em 2017. Percebemos. Mas ressalvamos que é necessário manter a estabilidade no mercado de petróleo e que isso é bom para os Estados Unidos e para as petrolíferas norte-americanas. Mas, para nós, era necessário mantermo-nos focados e não ceder a essa falta de responsabilidade”, referiu Barkindo. Segundo o secretário-geral da OPEP, os países produtores, as empresas multinacionais e nacionais e consumidores “estão todos no mesmo barco”.

“Lançamos um diálogo energético com os Estados Unidos e temo-nos encontrado com diversas empresas do setor norte-americano. Acreditamos que as decisões que tomamos são, não só boas para a OPEP, como também para os produtores e ainda para os países consumidores”, sublinhou.

“Os Estados Unidos, que são hoje o maior produtor de petróleo do mundo, que se tornou recentemente um exportador líquido de crude para os mercados internacionais, [terão benefícios], assim como para os países que são grandes consumidores, como a China, a Índia, Japão e outros. Vivemos uma economia global e a nossa indústria é também global”, frisou.

O foco, prosseguiu, é criar estabilidade entra a oferta e a procura, sendo necessário “equilibrar” o mercado, razão pela qual a OPEP não fixa os preços do petróleo, pois é o próprio mercado que os determina. Nesse sentido, Barkindo escusou-se a avançar o que poderia ser um preço ideal para a OPEP.

“Focamo-nos apenas na estabilidade. Sempre que vemos o mercado estabilizado, é bom para nós, produtores, e para os consumidores. Não podemos tomar medidas só no interesse dos países produtores porque queremos continuar a equilibrar a oferta e a procura nos mercados globais. Preços altos não são bons para os consumidores, preços baixos não são bons para os produtores. Temos de encontrar um equilíbrio e isso é que nós, na OPEP, bem como os Estados membros, estamos a tentar fazer”, sublinhou.

Barkindo acrescentou que foi essa a decisão tomada na reunião anual da OPEP, que decorreu a 6 e 7 deste mês, em Viena, onde os Estados membros decidiram cortar a produção em 1,2 milhões de barris/dia, o que equivale a 2,6% do total.

“Estou confiante que a decisão que tomamos em Viena irá permitir evitar que aconteça em 2019 o que sucedeu em 2015 e 2016. Testemunhamos um colapso nos mercados do petróleo que chegou aos 80%, o que levou a produção a atingir níveis sem precedentes de mais de 400 milhões de barris de petróleo ao longo de quase cinco anos. O que decidimos foi reduzir a oferta de forma a equilibrar os preços”, sintetizou.

Em relação a Angola, e também sobre a decisão da reunião de Viena, Barkindo mostrou “satisfação” por as autoridades de Luanda terem assinado o acordo e por a Sonangol ir implementá-lo. Sobre a visita a Luanda, Barkindo indicou que, sendo Angola um país “líder” da organização, é “normal” o secretariado geral da OPEP visitar frequentemente os Estados membros, de forma a informá-los sobre as atividades e aferir os progressos nacionais de cada um deles.

“Monitoramos, numa base diária, as atividades diárias dos Governos dos Estados membros e as companhias nacionais e disseminamos essas informações”, acrescentou.

Barkindo, que chegou domingo a Luanda, que deixa ao início da manhã de quarta-feira, elogiou ainda as reformas em curso no setor petrolífero angolano. “O que vi hoje na Sonangol é altamente recomendável e todos nós devemos apoiar os esforços da Sonangol e do Governo angolano para reposicionar a indústria petrolífera angolana no caminho do crescimento e desenvolvimento”, concluiu.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

O medo da liberdade /premium

Paulo Tunhas

O que esta nova esquerda busca não se reduz ao desenvolvimento de um Estado tutelar. É algo que visa a perfeita eliminação da sociedade como realidade distinta do Estado. Basta ouvir Catarina Martins.

25 de Abril

Princípio da União de Interesses

Vicente Ferreira da Silva

O nosso sistema de governo promove desigualdades entre os cidadãos, elimina a responsabilidade dos titulares de cargos públicos e limita as liberdades, os deveres e os direitos fundamentais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)