Rádio Observador

Casa Branca 2016

Russos criaram anúncios específicos para afro-americanos para influenciar eleições nos EUA em 2016

141

Estudos confirmam que russos criaram uma estratégia de desinformação para afetar afro-americanos e influenciar campanha presidencial dos EUA em 2016. Os culpados são as redes sociais, sublinham.

Universidade de Oxford e empresa New Knowledge descobriram que houve uma estratégia específica da Rússia para influenciar eleitorado afro-americano a votar em Trump

Getty Images

Os propagandistas russos usaram as redes sociais para persuadir a comunidade afro-americana a votar em Donald Trump em vez de escolher Hillary Clinton durante as eleições presidenciais de 2016 nos Estados Unidos. Dois novos novo estudos, um conduzido pela Universidade de Oxford e outra pela empresa de cibersegurança New Knowledge, dizem que os operacionais do governo russo que manipularam as eleições norte-americanas usaram plataformas como o Facebook para “confundir, distrair e desencorajar” os negros que iam votar em Hillary Clinton, dizendo por exemplo que ela era subsidiada pelo Ku Klux Klan.

Os novos estudos defendem que houve “esforços subtis” para incentivar o eleitorado negro a boicotar a eleição ou a votar em Trump. Uma das estratégias dos propagandistas russos foi feita através da página de Facebook “Blacktivist”, que conquistou quase cinco milhões de “gostos”. Nos últimos dias de campanha, essa página publicou mensagens que sugeriam que “as vidas dos negros não importam a Hillary Clinton” e que o melhor seria votar em Jill Stein, do Partido dos Verdes. Ou então nem sequer ir às urnas porque “não votar é uma maneira de exercer os nossos direitos”, defendia a página.

A Universidade de Oxford descobriu ainda que os afro-americanos foram mais expostos a anúncios no Facebook e no Instagram do que qualquer outro grupo racial. Nas contas dos investigadores, mais de mil anúncios foram apresentados a utilizadores do Facebook tipicamente mais interessados em pesquisar sobre questões civis dos afro-americanas. Esses anúncios atingiram quase 16 milhões de pessoas e todos davam informações erradas sobre as taxas de pobreza e sobre violência policial.

De acordo com os relatórios, todos esses propagandistas pertenciam à Agência de Pesquisa na Internet, uma ferramenta russa para levar a cabo operações de influência online conforme os interesses comerciais e políticos de Vladimir Putin, o presidente da Rússia. Tanto a Universidade de Oxford, como essa empresa concordam que essas manobras de manipulação nas redes sociais foram preparadas ao longo de cinco anos e que “todas as mensagens visavam claramente beneficiar o Partido Republicano e, especificamente, Donald Trump”.

Apesar do escrutínio feito à agência russa, os dois estudos apontam o dedo ao Facebook, ao Twitter e ao Google por causa de “falhas contínuas” em informar as autoridades norte-americanas que estavam, já na época da campanha eleitoral de 2016, a investigar a possibilidade de o governo de Putin estar a manipular as eleições norte-americanas, em linha com os seus próprios interesses. Tanto Oxford como a New Knowledge dizem que alguns executivos dessas redes sociais “deturparam ou ignoraram” e “dissimularam” dados relativos a essa propaganda russa nas declarações feitas ao Congresso.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)