Liga dos Campeões

Um ex-capitão portista (debaixo de críticas), um Luca que passou a Eusébio e o diretor pop star: assim é a Roma

Di Francesco passou de herói a técnico em risco, Marcano não convence e ainda há Monchi, o diretor desportivo com que muitos sonham. O perfil da Roma, adversário do FC Porto na Champions.

Ivan Marcano passou quatro anos no Dragão, onde era capitão, saiu no Verão para a Roma mas experiência não tem sido fácil

Getty Images

Di Francesco, que se chama Eusébio por homenagem do pai ao Pantera Negra que brilhou pelo Benfica e pela Seleção Nacional nos anos 60 e 70, foi 12 vezes internacional italiano como jogador, onde se destacou sobretudo pelos quatro anos na Roma entre outras passagens por Empoli, Luchese, Piacenza, Ancona e Perugia. Como técnico, após ter começado no modesto Virtus Lanciano, rumou ao clube da cidade onde nasceu, Pescara, passou pelo Lecce e deu nas vistas pelo Sassuolo, onde conseguiu mesmo a levar a equipa a uma inédita presença nas competições europeias. Em 2017, chegou ao Olímpico numa nova pele. Talvez ainda mais irreverente do que na passagem dentro das quatro linhas entre 1997 e 2001, onde fez mais de 100 jogos ao serviço dos giallorossi. Tornou-se herói no primeiro ano, ficou com o lugar em risco em poucos meses na época seguinte. E não se pode dizer que esteja propriamente seguro, tendo em conta a irregularidade da equipa ao longo da presente temporada.

No final do triunfo por 3-0 na receção ao Barcelona que valeu a qualificação para as meias-finais da última edição da Liga dos Campeões, Di Francesco descreveu-se como “um louco”. E a sua inspiração no comando de equipas também vem de um técnico com quem trabalhou e que tinha uma fama igual – Zdenek Zeman. Conhecido pelos métodos simples de treino e jogo, e pela grande proximidade que gosta de cultivar com os jogadores, Eusébio, que se ia chamar Luca antes do pai Arnaldo conseguir convencer Silvana a mudar o nome para a grande figura do Mundial de 1966 que se realizara três anos antes de nascer, é apologista de um futebol mais vertical, que explore a profundidade e onde “dois passes para o lado já é muito”. Em muitos jogos, prefere atuar num esquema com três centrais, que se transforma em três defesas quando tem a posse.

Na primeira temporada, terminou a Serie A no terceiro lugar apenas atrás da Juventus e do Nápoles e teve como grande coroa a chegada às meias-finais da Champions, onde caiu frente ao Liverpool em dois jogos frenéticos depois de ter passado em primeiro num grupo com Chelsea e Atl. Madrid e de ter eliminado Shakhtar Donetsk e Barcelona; na presente época, reforçado com mais valias como Steven N’Zonzi, Javier Pastore, Justin Kluivert, Cristante ou Ante Coric, os resultados têm sido muito intermitentes: a passagem aos oitavos de final em segundo, num grupo que tinha Real Madrid, CSKA Moscovo e Viktoria Plzen, foi conseguida sem grandes dificuldades, mas a carreira na Serie A já lhe colocou o lugar em risco, com apenas seis vitórias em 16 jogos.

Di Francesco teve como ponto alto do primeiro ano o triunfo por 3-0 com o Barcelona nos quartos da Champions (Stuart Franklin/Getty Images)

Essa decisão estará sempre nas mãos do diretor desportivo versão pop star Ramón Rodríguez Verdejo, mais conhecido por Monchi. Antigo guarda-redes do Sevilha, único clube que conheceu como jogador, subiu a diretor do futebol em 2000, quando a equipa atravessava dificuldades e caiu mesmo de divisão, e revolucionou por completo o clube desde o trabalho na formação (que viria a dar produtos como Sergio Ramos, Jesús Navas, Alberto Moreno, Puerta, Reyes ou Capel) às contratações “desconhecidas” que renderiam milhões, casos de Rakitic, Dani Alves, Fazio, Keita ou Adriano. O conjunto andaluz ganhou um total de 11 títulos, entre os quais cinco Taças UEFA/Ligas Europa. Em abril de 2017, mudou-se para a Roma.

Monchi é catalogado como uma espécie de Billy Beane sem olhar tanto para a vertente estatística, pela capacidade em construir plantéis de qualidade e sem grande necessidade de investimentos muito grandes – a não ser quando, como aconteceu no último Verão, fica com mais fundos à disposição, neste caso pelas vendas de Alisson, Strootman e Nainggolan, que juntos renderam um total acima dos 120 milhões de euros. É por isso que o seu nome já foi associado a clubes como o Barcelona ou o Manchester United, no sentido de “revolucionar” a política de gestão de ativos como aconteceu na Roma.

Monchi esteve mais de 30 anos no Sevilha em diferentes papéis antes de rumar à Roma em 2017 (Mario Carlini / Iguana Press/Getty Images)

Num plantel com muitas estrelas consagradas ou em ascensão, Ivan Marcano é a cara mais conhecida. Antigo capitão do FC Porto, onde esteve entre 2014 e 2018, decidiu mudar-se a custo zero para a Roma mas os primeiros tempos em Itália não têm sido propriamente fáceis para o espanhol de 31 anos que antes passara também por Grécia (Olympiacos) e Rússia (Rubin Kazan): com apenas 270 minutos nas pernas na Serie A (divididos por quatro jogos), o esquerdino voltou a ser opção inicial na Rep. Checa na derrota frente ao Viktoria Plzen e a exibição acabou por não convencer, levando mesmo o Corriere della Sera a anunciar quase a sua despedida. “Está pronto para sair no mercado de janeiro. E não vai deixar saudades se o fizer”, escreveu. Bryan Cristante, internacional italiano que passou sem sucesso pelo Benfica, tendo sido depois emprestado a Palermo, Pescara e Atalanta, é outra das figuras dos romanos, que este fim de semana ganharam ao Génova por 3-2 com duas desvantagens ao longo do jogo e o golo decisivo a ser apontado exatamente por Cristante, que voltou a ser titular ao lado de N’Zonzi no meio-campo.

Entre as possibilidades que tinha pela frente neste sorteio da Liga dos Campeões, o FC Porto acabou por não cruzar com alguns dos adversários mais temíveis e pode até ter alguma vantagem teórica nos oitavos de final frente aos italianos, ainda que qualquer prognóstico seja um pouco como a temporada que a Roma está a fazer – pode cair para qualquer um dos lados. E é nisso que os responsáveis transalpinos acreditam. “Talvez possamos dizer que tivemos alguma sorte com este sorteio, olhando para outras equipas que nos podiam ter calhado, mas o FC Porto é uma grande equipa e vai ser complicado, teremos de estar ao melhor nível”, salientou o antigo capitão Francesco Totti. “Podia ter sido pior”, acrescentou o diretor executivo, Mauro Baldissoni.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)