O conservador do Arquivo Nacional de Cabo Verde (ANCV) concorda com um arquivo comum da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), o qual seria uma forma de reunir as várias peças do puzzle da história destes Estados.

Em entrevista à agência Lusa, Martinho Robalo de Brito disse que seria interessante, durante a atual presidência cabo-verdiana da CPLP, reunir em Cabo Verde os representantes dos arquivos dos países que compõem a organização, no sentido de desenvolverem melhor a ideia.

Segundo Martinho Robalo de Brito, em maio, durante um encontro de arquivos de biblioteca da CPLP que decorreu em Portugal, saiu a recomendação de criar um arquivo comum da CPLP. “Criar um arquivo comum implica que todos os Estados membros tenham os seus arquivos online e que quem já está um pouco à frente deve ajudar os outros”, adiantou.

O conservador do ANCV referiu que “todos os países se manifestaram interessados em ter um arquivo comum”. “Há muita coisa comum e há documentos que estão em vários sítios. Há partes de documentos que estão num sítio e, juntando todos, podemos fazer um puzzle e fazer uma coisa maior. Temos tudo a ganhar”, declarou.

O ANCV comemora este ano o 30.º aniversário, com um conjunto de atividades que tem o ponto alto esta terça-feira, com uma conversa aberta à volta do arquivo, na qual estará presente o ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente. O lema das comemorações dos 30 anos do ANCV é “entre o tudo guardar e nada a perder”.