Rádio Observador

Bombeiros

Diálogo entre Governo e Liga dos Bombeiros inconclusivo mas houve “pontos de convergência”

Jaime Marta Soares referiu que a reunião desta tarde com o ministro da Administração Interna "foi inconclusiva", mas "houve pontos de convergência".

O Governo aprovou, em Conselho de Ministros a 25 de outubro, a proposta de alteração à Lei Orgânica da ANPC, que vai passar a designar-se Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), Jaime Marta Soares, disse esta terça-feira que a reunião de mais de três horas com o Governo “foi inconclusiva”, mas que “houve pontos de convergência”.

À saída da reunião no Ministério da Administração Interna, em Lisboa, Marta Soares foi parco em palavras e, sem avançar pormenores, explicou que as propostas discutidas serão analisadas esta terça-feira à noite numa reunião do Conselho Nacional da Liga, que decorrerá em Pombal, distrito de Leiria.

Se o Conselho Nacional concordar, o processo que opõe LBP e Governo pode passar por novas discussões, que poderão estar encerradas até ao final de janeiro, disse Marta Soares. “Esta reunião não foi conclusiva, mas tem alguns pontos de convergência. Há alguma abertura para podermos ir discutindo”, disse o responsável.

Jaime Marta Soares acrescentou que se o Conselho Nacional assim o entender a Liga dará conta disso ao ministro, e que este até final do dezembro entregará “um conjunto de propostas, com base no que tem vindo a ser discutido e que hoje se tentou aprimorar”.

Sem pormenores, Marta Soares disse que houve na reunião com o ministro “abertura ao diálogo” e que “não ficou nenhuma discussão encerrada”, e acrescentou esperar que a resposta do Conselho Nacional permita que até ao final do mês se possa “alinhavar a discussão” para se encontrar uma solução “a contento de todos”.

Alterações na área da Proteção Civil propostas pelo Governo têm gerado discussão e tensão com a LBP, com esta a abandonar a estrutura da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC) e suspendido a informação operacional por parte dos bombeiros aos comandos distritais de operações e socorro (CDOS).

Questionado esta terça-feira sobre se a decisão se manteria, Jaime Marta Soares disse que essa é uma decisão do Conselho Nacional. É a ele que cabe ou não continuar a fazê-lo, disse.

Ainda assim reafirmou que a preocupação da LBP é “rapidamente ultrapassar problemas” e que a questão de não reportar aos CDOS não põe em causa a segurança e o socorro das pessoas. O Governo aprovou, em Conselho de Ministros a 25 de outubro, a proposta de alteração à Lei Orgânica da ANPC, que vai passar a designar-se Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

Com esta proposta, o Governo acaba com os atuais 18 comandos distritais de operações e socorro e cria cinco comandos regionais e 23 comandos sub-regionais de emergência e proteção civil. A proposta do executivo prevê também a criação de um Comando Nacional de Bombeiros com autonomia financeira e orçamento próprio, cujo responsável máximo será designado depois de ouvida a LBP.

A LBP classifica a proposta como “completamente desajustada da realidade do país” e considera que vai interferir na autonomia das associações de bombeiros.

A Liga reivindica uma direção nacional de bombeiros “autónoma independente e com orçamento próprio”, um comando autónomo de bombeiros e o cartão social do bombeiro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)