INEM

OLX diz que anúncio de venda de peças do helicóptero acidentado era falso. INEM admitia fazer queixa

Peças do Agusta A109S terão surgido à venda no site OLX, já depois de várias pessoas terem afirmado que "teriam estado no local" onde o helicóptero se despenhou. OLX diz que anúncio era falso.

OCTÁVIO PASSOS/LUSA

Autores
  • Agência Lusa
Mais sobre

O OLX afirmou esta terça-feira que nunca teve à venda no seu site peças do helicóptero do INEM que caiu em Valongo no sábado. O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) tinha identificado os furtos das peças do helicóptero, reportou que estas poderiam estar à venda no site e admitia fazer queixa, ainda que apenas depois dos funerais das quatro vítimas.

Peças do Agusta A109S terão surgido à venda no site OLX, já depois de várias pessoas terem afirmado que “teriam estado no local” onde o helicóptero se despenhou, na Serra de Santa Justa, em Valongo, no distrito do Porto, e retirado peças da aeronave. Sob a designação “Peças destroços helicóptero INEM” terá surgido no OLX, ao preço de 115 euros, o anúncio da venda de “várias peças do helicóptero do INEM que caiu em Valongo”, entre elas, “bocados da hélice, vidro e o logótipo do INEM”. O anúncio foi, entretanto, removido.

Uma fonte do OLX disse ao Jornal de Notícias que as imagens e o anúncio eram falsos. “A imagem foi editada. A nossa plataforma não permite selecionar a marca e o modelo, tal como aparece nessas imagens”, explicou a fonte. Já ao Notícias ao Minuto, o responsável do OLX em Portugal, Spas Slivkov, garantiu que “o anúncio em questão é falso e nunca esteve online no OLX”. Esse alegado anúncio, acrescenta, “inclui detalhes que não são opções possíveis de incluir no OLX, como é o caso da marca e modelo do helicóptero”.

O alegado anúncio que circulava no OLX

Contactada pela agência Lusa, fonte do gabinete de relações públicas do INEM informou que a “decisão de avançar com uma queixa contra os autores quer do furto quer da tentativa de venda na internet está adiada até à conclusão dos funerais das vítimas”.

Esta terça-feira, em Baltar, foi o funeral da enfermeira, estando agendados para quarta-feira os restantes três, o do médico na Corunha, em Espanha, e dos dois pilotos em Viseu e Setúbal. “Temos as situações identificadas e, a seu tempo, vamos fazê-las chegar ao Conselho Diretivo para que sejam tomadas as medidas que forem entendidas como as adequadas”, explicou a fonte.

A queda do helicóptero, no sábado, em Valongo, provocou a morte a quatro pessoas – dois pilotos, um médico e uma enfermeira. A aeronave em causa é uma Agusta A109S, operada pela empresa Babcock, e regressava à sua base, em Macedo de Cavaleiros, Bragança, após ter realizado uma missão de emergência médica de transporte de uma doente grave para o Hospital de Santo António, no Porto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

O povo é quem mais ordena e a CGTP está fora /premium

André Abrantes Amaral

Quando os motoristas de matérias perigosas param o país e não se revêem na CGTP é a própria Concertação Social que está posta em causa, o que revela o quanto a geringonça distorceu esta democracia.

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
143

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)