Penny Marshall, realizadora de grandes sucessos de bilheteira como “Big” e “Liga de Mulheres”, morreu na segunda-feira na sua casa, nos Hollywood Hills, na sequência de problemas de saúde provocados pela diabetes, confirmou ao The Washington Post a porta-voz da família, Michelle Bega. Tinha 75 anos.

A norte-americana era uma das realizadoras mais bem sucedidas de Hollywood. No final dos anos 80, tornou-se na primeira mulher a realizar um filme com um lucro de bilheteira de mais de 100 milhões de dólares, com “Big”. Repetiu o feito quatro anos depois, com a comédia sobre basebol “Liga de Mulheres”, com Madonna, Geena Davis e Tom Hanks nos papéis principais.

Apesar do sucesso atrás das câmaras, foi com a representação que a carreira de mais de quatro décadas de Penny Mashall arrancou. Irmã mais nova do guionista Garry Marshall, foi precisamente o irmão que lhe arranjou os primeiros papéis na televisão, nomeadamente na sitcom “Happy Days”, que lhe trouxe algum reconhecimento. Quando o spinoof  “Laverne & Shirley” foi lançado, a atriz manteve o papel de Laverne DeFazio e tornou-se co-protagonista.

A série, sobre a vida de duas mulheres solteiras e dos seus amigos, passava-se nos anos 50 e 60 em Milwaukee. Uma das mais populares da época, estreou na ABC em 1976 e manteve-se no ar até 1983. Penny Marshall garantia que o sucesso da série se devia ao facto de as protagonistas se atreverem a serem “parvas”.

O primeiro filme em que a atriz participou foi a comédia “Jumpin’ Jack Flash”, com Whoopi Goldberg. A longa-metragem chegou aos cinemas em 1986, dois anos antes de Marsh se aventurar pela primeira vez no mundo da realização. “Big”, uma comédia sobre um rapaz que se transforma magicamente num adulto para a noite, tinha Tom Hanks no papel principal e foi um sucesso de bilheteira, tornando a atriz num nome importante no mundo do cinema.

Como lembra o The Washington Post, o lucro elevado de “Big” transformou Penny Marshall “num nome credível numa indústria que era historicamente cautelosa em permitir que mulheres realizassem grandes produções”. Essa credibilidade foi definitivamente estabelecida com “Liga de Mulheres”, que, tal como com “Big”, teve um lucro de bilheteira superior a 100 mil dólares.

À data da morte tinha em pós-produção o documentário “Rodman”, sobre o antigo basquetebolista DennisRodman, da liga profissional norte-americana (NBA).