Cinema

Morreu Penny Marshall, realizadora de “Big” e “Liga de Mulheres”

A norte-americana, que ficou conhecida como co-protagonista da série "Laverne & Shirley" foi a primeira mulher a realizar filmes com um lucro de mais de 100 milhões de dólares. Tinha 75 anos.

Penny Marshall nasceu a 15 de outubro de 1943. Morreu esta segunda-feira

AFP/Getty Images

Penny Marshall, realizadora de grandes sucessos de bilheteira como “Big” e “Liga de Mulheres”, morreu na segunda-feira na sua casa, nos Hollywood Hills, na sequência de problemas de saúde provocados pela diabetes, confirmou ao The Washington Post a porta-voz da família, Michelle Bega. Tinha 75 anos.

A norte-americana era uma das realizadoras mais bem sucedidas de Hollywood. No final dos anos 80, tornou-se na primeira mulher a realizar um filme com um lucro de bilheteira de mais de 100 milhões de dólares, com “Big”. Repetiu o feito quatro anos depois, com a comédia sobre basebol “Liga de Mulheres”, com Madonna, Geena Davis e Tom Hanks nos papéis principais.

Apesar do sucesso atrás das câmaras, foi com a representação que a carreira de mais de quatro décadas de Penny Mashall arrancou. Irmã mais nova do guionista Garry Marshall, foi precisamente o irmão que lhe arranjou os primeiros papéis na televisão, nomeadamente na sitcom “Happy Days”, que lhe trouxe algum reconhecimento. Quando o spinoof  “Laverne & Shirley” foi lançado, a atriz manteve o papel de Laverne DeFazio e tornou-se co-protagonista.

A série, sobre a vida de duas mulheres solteiras e dos seus amigos, passava-se nos anos 50 e 60 em Milwaukee. Uma das mais populares da época, estreou na ABC em 1976 e manteve-se no ar até 1983. Penny Marshall garantia que o sucesso da série se devia ao facto de as protagonistas se atreverem a serem “parvas”.

O primeiro filme em que a atriz participou foi a comédia “Jumpin’ Jack Flash”, com Whoopi Goldberg. A longa-metragem chegou aos cinemas em 1986, dois anos antes de Marsh se aventurar pela primeira vez no mundo da realização. “Big”, uma comédia sobre um rapaz que se transforma magicamente num adulto para a noite, tinha Tom Hanks no papel principal e foi um sucesso de bilheteira, tornando a atriz num nome importante no mundo do cinema.

Como lembra o The Washington Post, o lucro elevado de “Big” transformou Penny Marshall “num nome credível numa indústria que era historicamente cautelosa em permitir que mulheres realizassem grandes produções”. Essa credibilidade foi definitivamente estabelecida com “Liga de Mulheres”, que, tal como com “Big”, teve um lucro de bilheteira superior a 100 mil dólares.

À data da morte tinha em pós-produção o documentário “Rodman”, sobre o antigo basquetebolista DennisRodman, da liga profissional norte-americana (NBA).

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)