Macau

Orçamento de Macau para 2019 aprovado, jogo representa 80,5% das receitas

No Orçamento para 2019, aprovado a 15 de novembro, estima-se que o imposto sobre o jogo represente 80,5% do total das receitas, mas abaixo do valor arrecadado em 2014.

Estima-se que o imposto sobre o jogo represente 80,5% do total das receitas no Orçamento para 2019

ALEKSANDAR PLAVEVSKI/EPA

A Assembleia Legislativa (AL) de Macau aprovou esta terça-feira na especialidade o Orçamento para 2019, no qual se estima que o imposto sobre o jogo represente 80,5% do total das receitas, mas abaixo do valor arrecadado em 2014.

Um parecer da 2.ª Comissão Permanente da AL, de resto, dá conta de que “nos anos económicos de 2014 a 2019 a receita ordinária integrada do Governo baixou, em média, 4%”, algo que contrasta com o crescimento, nos últimos seis anos, em média, de 11,4% na despesa ordinária integrada.

“Se se comparar com a de 2014, pico das receitas de jogo, a receita ordinária integrada do Orçamento para 2019 é inferior à efetiva receita ordinária integrada de 2014”, passando dos 161,88 mil milhões de patacas [17,7 mil milhões de euros] para os 122,38 mil milhões de patacas, quase 40 mil milhões de patacas a menos, indica-se no parecer.

A 15 de novembro de 2018, o Orçamento para 2019 foi apresentado pelo Governo de Macau, tendo sido aprovado por unanimidade pelos 32 deputados presentes. Nessa mesma data foi distribuído para análise na especialidade e emissão de parecer até ao dia 11 de dezembro, uma análise que serviu de base à votação desta terça-feira.

Nesse parecer, o Governo de Macau prevê um acréscimo de 13,3% nas receitas do orçamento ordinário integrado em relação à previsão orçamental de 2018, com destaque para o imposto especial sobre o jogo, que tem maior peso, na ordem dos 91 mil milhões de patacas.

Quanto às despesas, estima-se um crescimento de 2,2% em relação ao ano passado, para as quais contribui uma série de medidas de subvenção, apoios e subsídios. Por outro lado, o Governo de Macau também propôs a manutenção e criação de novos benefícios fiscais, avaliados em 4,46 mil milhões de patacas.

No mesmo documento refere-se que na comparação com 2018, verifica-se no Orçamento para 2019 um aumento de 2,2% na despesa ordinária integrada, de 9% nas despesas correntes e uma redução de 14,9% nas despesas de capital. Já a despesa agregada dos organismos especiais cresce 10,5% e a de investimento agregado dos organismos especiais 54,6%.

Em comparação com o orçamento inicial de 2018, no parecer da comissão da AL destaca-se os maiores acréscimos na despesa em funções dos serviços sociais e comunitários (18,7%), dos serviços públicos gerais (10,2%), da educação (10,7%) e dos serviços públicos gerais (10,1%), registando-se uma diminuição de 27,5% na área da justiça, ordem e segurança.

No total, a despesa ordinária do Governo de Macau cifra-se em 103,34 mil milhões de patacas, que inclui as despesas correntes no valor de 78,89 mil milhões e as de capital na ordem dos 24,44 mil milhões de patacas.

Na análise do Orçamento para 2019 contida no parecer sublinha-se o peso dos apoios e abonos para as despesas, em especial para o funcionamento das fundações, associações e organizações (8,7 mil milhões de patacas), que representam cerca de um terço do total, sendo que mais de metade são dirigidos para as famílias e indivíduos (14,64 mil milhões de patacas).

No plenário desta terça-feira, foram aprovadas, na especialidade, mais quatro propostas de lei, nomeadamente a que prevê acabar com as empresas e contas bancárias offshore no território, em resposta às exigências da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). Neste sentido, as autorizações para o exercício da atividade offshore devem caducar a 1 de janeiro de 2021, se não tiverem cessado antes dessa data.

Em julho, a China aprovou a integração de Macau na convenção da OCDE sobre matéria fiscal, tendo a mesma entrado em vigor em setembro. No final do ano passado, a União Europeia chegou a apontar esta região administrativa especial chinesa como uma das 17 jurisdições não cooperantes para fins fiscais, mas reverteu a decisão um mês depois.

Luz verde também para a proposta de lei que proíbe todos os funcionários dos casinos de entrarem nos espaços destinados ao jogo. Atualmente, estão interditos nesses locais funcionários públicos e menores de 21 anos. “Nunca pretendemos, com isto, descriminalizar ou produzir efeitos de estigmatização”, sublinhou o Secretário para a Economia e Finanças, Lionel Leong, defendendo que a nova lei “protege os trabalhadores”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)