Filipinas

Presidente das Filipinas disposto a dialogar com grupo extremista Abu Sayyaf

O Presidente apontou a falta de educação como a principal causa do conflito armado no sul e anunciou a entrega de mais 15 mil armas à divisão de infantaria encarregada de combater os rebeldes em Sulu.

O atual presidente filipino Rodrigo Duterte.

FRANCIS R. MALASIG/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente das Filipinas está disposto a dialogar com o grupo extremista Abu Sayyaf, organização filiada no Estado Islâmico (EI), se o movimento puser fim à violência no sul do país, foi esta terça-feira noticiado. “Se pararem [a violência], estou disposto a ir à vossa zona para falar”, afirmou na segunda-feira Rodrigo Duterte, à margem de uma cerimónia com as forças armadas em Sulu, região de maioria muçulmana no sul das Filipinas e um dos bastiões do Abu Sayyaf.

Duterte indicou que estes grupos extremistas são responsáveis pelas últimas mortes de soldados nas zonas de Basilan, Sulu e Tawi-Tawi, na região de Mindanao. “Não posso permitir que os meus soldados morram e sofram emboscadas, o que acontece há muitos anos”, disse o comandante em chefe das forças armadas filipinas.

O Presidente apontou a falta de educação como a principal causa do conflito armado no sul e anunciou a entrega de mais 15 mil armas à divisão de infantaria encarregada de combater os rebeldes em Sulu, assim como bolsas escolares e casas para melhorar a qualidade de vida dos soldados.

Em julho, Rodrigo Duterte assinou a lei orgânica de Bangsamoro, que aplica o acordo de paz alcançado em 2014 com a Frente Moro de Libertação Islâmica (FMLI), o maior grupo rebelde muçulmano do país, que vai governar aquela região depois de ter deposto as armas e renunciado às aspirações independentistas.

Esta lei é vista como a solução para a paz na zona, que viveu cinco décadas de conflito armado e onde continuam a existir milícias de grupos extremistas como o Abu Sayyaf, os Lutadores pela Libertação Islâmica de Bangsamoro, ou o Grupo Maute, opostos a qualquer acordo de paz.

Fundado em 1991 por alguns ex-combatentes da guerra do Afeganistão contra a União Soviética, ao Abu Sayyaf são atribuídos alguns dos mais sangrentos atentados dos últimos anos nas Filipinas e vários sequestros com os quais se financia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)