Língua Portuguesa

Priberam divulga as 24 palavras de temas da atualidade mais pesquisadas em 2018

Eutanásia, desembargador, arguido, tiroteio, gentrificação e peculato são algumas das 24 palavras relativas a temas da atualidade política, económica e social mais pesquisadas no Priberam em 2018.

"Tiroteio" está entre as 24 palavras mais procuradas no dicionário do Priberam, em 2018

PATRICK SEEGER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Eutanásia, desembargador, arguido, tiroteio, gentrificaçãoe peculato são algumas das 24 palavras relativas a temas da atualidade política, económica e social mais pesquisadas por milhões de utilizadores no dicionário Priberam, em 2018, foi esta terça-feira divulgado.

Este é o segundo ano consecutivo em que o dicionário Priberam e a Agência Lusa se associam numa iniciativa para o site O Ano em Palavras, no qual as palavras mais pesquisadas ilustram os principais eventos que marcaram cada um dos meses do ano que agora chega ao fim.

Essas palavras são divulgadas em http://oanoempalavras.pt/, site que integra também conteúdos noticiosos da agência Lusa que contextualizam cada uma das palavras, ilustrando-as com fotografias captadas pelos seus fotógrafos.

O site está estruturado com as palavras apresentadas cronologicamente, de janeiro a dezembro, e, para cada palavra, é possível aceder ao seu significado no Dicionário Priberam bem como ao artigo da Lusa sobre o evento que motivou as pesquisas, explica a Priberam, em comunicado.

Para este projeto, foram recolhidas as palavras que, devido ao elevado número de pesquisas diárias, “ganharam destaque na nuvem do dicionário ao longo do ano“. A partir desta “nuvem”, os editores da Lusa escolheram as duas que consideraram mais relevantes em cada mês, em termos da atualidade nacional e internacional.

Assim, entre as mais de duas centenas de palavras que estiveram no topo das consultas no Dicionário Priberam, foram selecionadas 24 (por ordem cronológica): vetar, desembargador, lóbi, sistemática, bicefalia, arguido, milícias, messianismo, penta, eutanásia, desnuclearização, trivela, peculato, gentrificação, porto seguro, respeito, acervo, húbris, mito, ministro, armistício, aviltante, revogar e tiroteio.

Outras palavras que ocuparam também lugar de destaque nas pesquisas dos utilizadores do dicionário Priberam foram cacique, interstício, subversiva, mulher, inelegível, exumação, triatleta, esfaqueamento, fascismo e democracia, chapo, coscuvilhice e aluimento foram outras das palavras de temas da atualidade mais pesquisadas.

Neste ano, o Dicionário Priberam mudou também de domínio, para dicionario.priberam.org, que justifica com o facto de a maioria dos acessos não ser de Portugal, “refletindo assim o número de falantes da língua espalhados por todo o mundo”.

A Priberam assinala ainda que os recordes de consultas no Dicionário Priberam voltaram a ser batidos, com cerca de 132 milhões de pesquisas desde janeiro de 2018 e um total de quase 37 milhões de consulentes.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Salazar /premium

Helena Matos
469

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)