Acidentes de Aviação

Quanto podem receber os familiares das vítimas do acidente do INEM?

146

O INEM não tem seguro pessoal para os trabalhadores. Contudo, os helicópteros de emergência são obrigados a ter um seguro para os ocupantes, em caso de acidente.

No passado sábado, a queda de um helicóptero do INEM, em Valongo, Porto, causou a morte de quatro civis: dois pilotos e uma equipa médica, composta por médico e enfermeira

OTÁVIO PASSOS/LUSA

A queda de um helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), no concelho de Valongo, distrito do Porto, no passado sábado, causou a morte aos quatro ocupantes: dois pilotos, um médico e uma enfermeira. Agora, as famílias do médico e da enfermeira vão receber uma indemnização de, pelo menos, meio milhão de euros cada uma, noticia o Público, esta terça-feira.

De acordo com fonte do INEM, já tinha sido garantida a existência de um seguro de acidentes pessoais para os ocupantes da aeronave e que este tinha sido acionado. Associado a ele, está a contratação do helicóptero. Assim, além da primeira apólice, existe uma segunda que se traduz num seguro de responsabilidade civil combinada — obrigatória para que a Babcock possa operar no espaço comunitário — de mais de 50 milhões de euros, podendo as famílias dos dois profissionais vir a receber mais de meio milhão.

As indemnizações serão atribuídas com maior rapidez do que é habitual, uma vez que o INEM não dispõe de seguros de acidentes pessoais para os seus prestadores de serviços. Esta situação obriga os trabalhadores a recorrer aos tribunais para conseguirem ser indemnizados. Contudo, o Sindicato Independente dos Médicos exigiu ao Governo a constituição de uma comissão arbitral para indemnizar os familiares das vítimas, uma reivindicação feita por desconhecerem que, neste caso, existem seguros.

A Babcock, a empresa que operava o aparelho, já assegurou um helicóptero de substituição, o qual começou a funcionar nesta segunda-feira em Macedo de Cavaleiros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Medicina

Reflexões de um jovem médico dentista

Luís Pereira Azevedo

77% dos Médicos Dentistas formados há menos de 2 anos têm uma remuneração inferior a 1500 euros brutos mensais. É grande a situação de precariedade e incerteza com que a profissão atualmente se depara

Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)