Estados Unidos da América

Relatórios dizem que Facebook, Google e Twitter “deturparam” informações partilhadas com Senado dos EUA

O Facebook, juntamente com o Twitter e a Google, são acusadas em dois relatórios publicados pelo Comité de Informações do Senado de darem informações "deturpadas" às comissões de inquérito.

"Infelizmente, parece que as plataformas deturparam ou evitaram [informações] nalgumas das suas declarações ao Congresso", lê-se num dos relatórios

Getty Images

O Comité de Informações do Senado dos EUA publicou dois relatórios que deixam várias críticas à maneira como algumas das maiores empresas tecnológicas do mundo colaboraram com as investigações levadas a cabo pelas duas câmaras do Congresso norte-americano sobre as diferentes manobras de desinformação russas durante as eleições presidenciais de 2016.

De acordo com o The New York Times, um dos relatórios, elaborado pela Columbia University em parceria com a empresa de cibersegurança New Knowledge, acusou mesmo empresas como o Twitter, Facebook, Google ou YouTube de não colaborarem plenamente com as comissões de inquérito.

“Infelizmente, parece que as plataformas deturparam ou evitaram [informações] nalgumas das suas declarações ao Congresso”, lê-se nesse relatório.

Uma das queixas recorrentes é a de que a informação partilhada por aquelas plataformas às investigações das duas câmaras do Congresso não foi suficiente, nem partilhada de forma organizada. “Toda a gente quer entender qual foi o impacto nas eleições presidenciais de 2016. Todos querem saber se foi o suficiente para mover a eleição”, refere a diretora do New Knowledge, Renee DiResta. “Nenhum dos conjuntos de dados que nos foram dados oferece essa resposta.”

Nos relatórios, há espaço para sublinhar diferenças entre a maneira como cada uma das empresas acima referidas colaborarou nas investigações. A Google é referida como a empresa que menos colaborou. Num segundo relatório, da Oxford University com a analista de redes sociais Graphika, é dito que a “contribuição da Google em dados foi de longe a que teve menos contexto e a menos abrangente das três”.

No caso do Facebook, é referido que aquela empresa chegou a dizer que apenas recebeu “umas poucas centenas de milhares de dólares” por anúncios feitos por agentes de desinformação russos — mas um dos relatórios agora publicados refere que as mesmas pessoas gastaram “muito mais do que 100 mil dólares em anúncios no Facebook”.

Por outro lado, o Twitter foi o que mais colaborou — mas ainda assim, ficando aquém do ideal, primando pela desorganização.

Em diferentes comunicados, as três empresas não responderam diretamente às acusações, evitando desta forma fazer um mea culpa. “Fizemos investigações a fundo entre diferentes áreas da nossa empresa e fizemos um relatório detalhado e minucioso aos investigadores”, disse Nu Wexler, porta-voz da Google, que é também detentora do YouTube. A partir do Twitter, a porta-voz Katie Rosborough garantiu que o “único objetivo” daquela empresa é o de “melhorar a saúde da discussão pública na nossa plataforma”. E da parte do Facebook o porta-voz Matt Steinfeld respondeu ao The New York Times que a sua empresa “partilhou milhares de anúncios e informações a Comité de Informações do Senado para avaliação e partilhou informação com o público”.

O senador Richard Burr, republicano da Carolina do Norte e presidente do Comité de Informações do Senado, disse que “este relatórios são a prova de que uma das coisas mais importantes a fazer é aumentar a partilha de informação entre as empresas de redes sociais que podem identificar campanhas de desinformação e especialistas independentes que podem analisá-las”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt
IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)