Tesla

Afinal, os Tesla andam como comboios no túnel de Musk

167

Elon Musk, o CEO da Tesla, apresentou o seu primeiro túnel, destinado a quem quer fugir ao trânsito. Sabe-se agora que vão existir carros da Tesla a circular como comboios, a 240 km/h.

Foi revelado o primeiro dos túneis de Elon Musk, mais propriamente da sua empresa, a Boring Company. E o evento teve duas surpresas, com a primeira a ficar a dever-se ao facto de, praticamente dois anos depois ter anunciado que pretendia construir um túnel para evitar o trânsito em Los Angeles, o dito túnel foi apresentado. Se esta primeira surpresa foi positiva, a segunda foi-o menos, uma vez que em vez dos patins autónomos a deslocar os veículos dos utilizadores dos túneis, como tinha sido prometido inicialmente, o sistema vai exigir que os modelos possuam umas rodas de guia laterais para os manter como se fossem sobre carris. Para ter uma ideia, inicialmente, foi assim que o projecto foi apresentado:

O túnel em causa tem apenas 1,14 milhas de extensão, cerca de 1,8 km, e é conhecido como Hawthorn, um bairro de Los Angeles localizado entre a sede da SpaceX e o aeroporto. Assume-se meramente como um túnel de testes e demonstração, para que a Boring Company possa aprender com os erros, antes de se comprometer com uma obra de maior envergadura. E já começou a apreender pois, segundo Musk, a tecnologia de perfuração de túneis “é muito lenta e muito cara”, facilmente atingindo 1 milhão de dólares por milha e uma velocidade de somente, em alguns casos, uma milha por ano.

Como nada disto é aceitável para Musk, a Boring Company começou a perfurar com a sua primeira máquina, a Godot, que depois substituiu pela Line-Storm, mais rápida, que irá trocar em breve pela Prufrock. Esta, com alterações no sistema de corte e na forma como aplica os reforços/revestimento interior do túnel, permitirá reduzir o tempo de perfuração para 1/3. De momento, Elon Musk queixa-se que as máquinas “apenas perfuram 10 minutos em cada hora de trabalho, pois o resto do tempo param para que se aplique os reforços, se elimine os detritos da escavação”. Mas a Boring Company admite que existe potencial para incrementar a velocidade de perfuração em 15 vezes, em vez de apenas três.

Para reduzir ainda mais os custos, sobretudo os relacionados com a eliminação dos detritos da escavação (terra e pedras, operação que pode atingir 15% do custo total da obra), Musk vai montar uma máquina de compactar esses detritos e produzir tijolos para construção, “extremamente robustos”, segundo ele, mas igualmente baratos, podendo ser comercializados a apenas 10 cêntimos a unidade. O CEO da Boring Company vai mesmo ao ponto de os oferecer para habitação social.

[Circular a 240 km por hora: a solução de Elon Musk para o trânsito. Veja o vídeo:]

No túnel só Tesla. Mesmo para passageiros

Originalmente, os túneis a construir deverão ser capazes de lidar com veículos e pessoas a pé, agindo assim como um concorrente do metropolitano. Neste caso, a Tesla vai ter uma frota de veículos autónomos, Model X por serem os mais espaçosos, e os clientes apenas têm de se sentar e seguir viagem, uma vez que o veículo baixa na plataforma até ao túnel, que depois percorre a 150 milhas por hora, ou seja, a 241 km/h. Veja aqui como funciona:

Os condutores que queiram recorrer aos túneis da Boring – empresa que entretanto já ganhou um contrato para a construção de um túnel para ligar o centro de Chicago ao aeroporto, que deverá estar pronto dentro de três anos – têm apenas de colocar o seu carro sobre o elevador que o desce até ao túnel. Mas o seu veículo, independente da marca, tem de estar equipado com as tais rodas/guia lateral, que Musk afirma poderem “custar entre 200 a 300 dólares (entre 175 e 263 euros), podendo ser instaladas de origem ou posteriormente “em qualquer oficina”.

À primeira vista, isto parece-nos muito optimista, sendo obviamente fácil para os carros da Tesla, mas dificilmente para os restantes. Tanto mais que a Boring exige ainda que os veículos tenham algum tipo de condução autónoma – na prática, para operar naquelas condições o sistema tem mesmo de ter uma programação específica, que não se “assuste” com as paredes do túnel –, que seja eléctrico e que atinja 241 km/h. Por outras palavras: um Tesla. O que em termos comerciais até é uma vantagem para o CEO da Boring, que é o mesmo do construtor americano de veículos eléctricos.

Não perca a apresentação completa de Elon Musk, publicada pela Market Reaction:

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)