Cinema

Governo disponível para “melhorar” regulamentação da lei do cinema

Numa sessão parlamentar, a ministra da Cultura admitiu abertura para "melhorar" a regulamentação da lei do cinema e audiovisual e defendeu uma "discussão mais profunda e estratégica" sobre o setor.

Graça Fonseca esteve presente esta quinta-feira na Assembleia da República, numa sessão parlamentar, onde CDS-PP, PSD, Bloco de Esquerda e PCP apresentaram e discutiram propostas sobre o tema

ANDRE KOSTERS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, afirmou esta quinta-feira que está disponível para melhorar a regulamentação da lei do cinema e audiovisual e defendeu uma “discussão mais profunda e estratégica” sobre o setor.

Graça Fonseca falava na Assembleia da República, numa sessão parlamentar em que CDS-PP, PSD, Bloco de Esquerda e PCP apresentaram e discutiram pedidos de apreciação parlamentar da nova regulamentação da lei do cinema, que entrou em vigor em abril.

O Governo está disponível para, em sede de especialidade — porque agora existe um ano de aplicação das alterações que foram introduzidas em 2018 –, poder contribuir para melhorar a forma como é regulado o sistema de júris e também, caso seja a decisão da Assembleia da República, [discutir] todo o modelo de financiamento do cinema”, disse a ministra da Cultura.

Graça Fonseca sublinhou que é preciso “uma discussão bastante mais profunda e estratégica” sobre o setor, “para os próximos dez, 20 anos”.

Os pedidos de apreciação parlamentar dos quatro partidos relacionam-se com aspetos específicos dos regulamentos da lei do cinema, em particular sobre o funcionamento da Secção Especializada de Cinema e Audiovisual (SECA) do Conselho Nacional de Cultura, sobre a escolha de júris dos concursos de apoio financeiro e sobre a cobrança de taxas que financiam o setor.

Os quatro partidos também se mostraram disponíveis para discutir propostas que revejam a regulamentação, assim como o PS, que reconheceu a necessidade de clarificar alguns aspetos da lei.

A discussão desta quinta-feira acontece oito meses depois de a nova regulamentação legislativa ter entrado em vigor, em abril passado, depois de longa polémica e discussão com o setor.

A nova regulamentação pretende simplificar processos administrativos dos concursos, mas durante o tempo de revisão e discussão a tutela foi duramente criticada pela Plataforma de Cinema — que reúne dezenas de agentes do setor –, por causa da forma como são escolhidos os júris dos concursos de apoio ao cinema e audiovisual.

Segundo a nova regulamentação, compete apenas ao Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA) constituir e aprovar uma lista de jurados efetivos para cada concurso.

Neste processo, a SECA poderá apresentar propostas de jurados ou considerações sobre os critérios que o ICA deve considerar no processo da sua seleção, mas a consulta não é vinculativa.

Por causa dos atrasos na entrada em vigor da regulamentação legislativa, o calendário de 2018 dos programas de apoio ao cinema foi publicado apenas em maio.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)