Rádio Observador

Angola

Há quatro anos que Angola não vendia barril de petróleo tão alto

O preço do barril de petróleo em Angola para exportação atingiu o valor mais alto dos últimos 4 anos. A exportação petrolífera rendeu a Angola 8.700 milhões de euros em receitas fiscais até novembro.

Até novembro, Angola exportou 491.862.592 barris de petróleo, a um preço médio de 62,31 euros por barril, quando no Orçamento Geral do Estado

CLAUDIO BRUFOLA / HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A exportação petrolífera rendeu a Angola 8.700 milhões de euros em receitas fiscais até novembro, mês em que cada barril de crude foi vendido, em média, a quase 80 dólares, o valor mais alto em quatro anos.

A informação resulta de uma análise feita esta quarta-feira pela agência Lusa ao histórico dos últimos 11 meses dos relatórios do Ministério das Finanças de Angola sobre as receitas com a venda de petróleo.

Até novembro, Angola exportou 491.862.592 barris de petróleo, a um preço médio de 70,82 dólares por barril (cerca de 62,31 euros), quando no Orçamento Geral do Estado (OGE) de 2018 o Governo tinha inscrito uma previsão de 50 dólares por barril.

Só no mês de novembro, cada barril de petróleo foi vendido a 79,32 dólares.

Trata-se do valor mais alto desde novembro de 2014, quando, então, cada barril de crude foi exportado a 84,51 dólares, conforme dados compilados hoje pela Lusa.

A forte quebra na cotação internacional de petróleo desencadeada em finais de 2014 chegou a colocar o barril de crude vendido por Angola nos 30 dólares.

Contudo, em 11 meses de 2018, as vendas de petróleo por Angola já totalizam 34.833 milhões de dólares (30.466 milhões de euros), que resultaram em receitas fiscais de 3,067 biliões de kwanzas (8.700 milhões de euros).

O petróleo exportado por Angola já tinha atingido um pico, no preço, em outubro, ao ser exportado a 78,49 dólares, em média, cada barril.

Em novembro, Angola exportou 40.106.070 barris de petróleo, representando vendas globais superiores a 2.820 milhões de dólares (2.470 milhões de euros), com o crude do bloco ‘onshore’ (em terra) de Cabinda a sul a bater o recorde do ano, nos 83,29 dólares por barril.

Na origem destes dados estão números sobre a receita arrecadada com o Imposto sobre o Rendimento do Petróleo (IRP), Imposto sobre a Produção de Petróleo (IPP), Imposto sobre a Transação de Petróleo (ITP) e receitas da concessionária nacional.

Os dados constantes nestes relatórios do Ministério das Finanças resultam das declarações fiscais submetidas à Direção Nacional de Impostos pelas companhias petrolíferas, incluindo a concessionária nacional angolana, a empresa pública Sonangol.

O Estado angolano garantiu, em 2017, mais de 8.600 milhões de euros em receitas fiscais com a exportação de petróleo, 400 milhões de euros abaixo da meta orçamentada.

De acordo com dados dos relatórios mensais do Ministério das Finanças sobre as receitas com a venda de petróleo, entre janeiro e dezembro do ano passado, Angola exportou 595.604.870 barris de crude, quando o Governo estipulou no OGE para 2017 uma previsão de 664,6 milhões de barris.

Angola é o segundo maior produtor de petróleo em África, atrás da Nigéria, mas os declínios em alguns campos e a falta de novos investimentos nos últimos anos colocou a produção angolana abaixo dos 1,5 milhões de barris por dia.

Entre outubro e novembro, o petróleo chegou a ser transacionado no mercado internacional a mais de 80 dólares por barril, tendo entretanto iniciado um movimento de descida, rondando agora os 60 dólares por barril.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)