Rádio Observador

Sata

Vasco Cordeiro garante SATA pronta para servir os Açores após “turbulências recentes”

O presidente do Governo dos Açores garantiu que a SATA tem "todas as condições" para continuar servir a região e adiantou que "está em curso uma renovação da frota com os mais modernos aviões".

Vasco Cordeiro falava na Comissão Eventual de Inquérito ao Setor Público Empresarial Regional, que esta tarde está a ouvir o presidente do executivo da região sobre a SATA

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, assegurou esta quinta-feira que a transportadora aérea SATA tem nesta fase “todas as condições” para “continuar a servir os Açores e a sua economia”, após “alguns períodos de turbulência”.

“Há uma administração empenhada em reforçar a empresa, está em curso uma renovação da frota com os mais modernos aviões do mercado, foram tomadas medidas de reforço da estabilidade financeira do grupo, está em curso a reorganização da própria empresa e pretende-se um parceiro estratégico que robusteça a atividade operacional da companhia”, frisou hoje o governante.

Vasco Cordeiro falava na delegação de Ponta Delgada da Assembleia Legislativa Regional dos Açores, na Comissão Eventual de Inquérito ao Setor Público Empresarial Regional (SPER), que esta tarde está a ouvir o presidente do executivo da região sobre a SATA.

Na sua intervenção inicial, de cerca de 15 minutos, o chefe do executivo açoriano fez ainda um “apelo” aos deputados e partidos políticos para que, “sem prejuízo dos direitos de cada um”, fosse possível “estabelecer um clima fundamental” para que sejam tomadas medidas na empresa que resultem nos “resultados pretendidos” de mais-valia para os Açores, os açorianos e a economia regional”.

O governante lembrou a crise recente na economia mundial, europeia e portuguesa para sustentar que a SATA “fez a diferença”, não para o executivo, “mas sim para milhares e milhares de açorianos que, trabalhando no setor turístico ou em atividades com este relacionadas, nesse período puderam manter o seu posto de trabalho” ou “manter as suas empresas”.

“Foi a SATA que, com a sua operação para a Europa, garantiu que entrassem, entre 2009 e 2014, mais de 50 milhões de euros nas empresas turísticas dos Açores, ajudando, por esta via, a manter emprego na região, quando este setor estava em grande recessão a nível mundial”, disse.

Posteriormente, a transportadora viveu um “trajeto de recuperação” que “teve seguimento em 2016, ano marcado por uma grande paz social, e no qual se verificou uma evolução generalizada dos resultados operacionais”, que melhoraram 7,7 milhões de euros, recuperando dos 16,7 milhões de euros negativos para os nove milhões de euros também negativos.

“Chegamos, assim, a 2017. Enfrentámos um ano atípico por uma série de razões que interessa, aqui, recordar, pelo impacto que tiveram nas contas do grupo SATA”, disse Vasco Cordeiro, falando nos aumentos de custos de combustível, incidentes com aviões ou “cancelamentos por razões operacionais e meteorológicas que, não sendo exclusivos deste ano, impactaram significativamente” os resultados da empresa.

E prosseguiu: “Para os que, consciente ou inconscientemente, alimentam em si próprios ou noutros a ilusão de que a SATA poderia estar protegida numa redoma ou que tudo vai bem na aviação civil e só a SATA tem os desafios que tem, convém talvez lembrar que só desde 2017, por todo o mundo, já se extinguiram mais de 260 companhias de aviação, das quais, apenas em 2017 e 2018, mais de três dezenas”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)