Greve

Associação sindical de investigadores da PJ mantém greve de dois dias em janeiro

A associação sindical dos investigadores da PJ decidiu manter a greve prevista para janeiro, após reunião no Ministério da Justiça que terminou com "alguns compromissos, mas sem nada concreto".

A greve da associação sindical dos investigadores da PJ poderá incapacitar a polícia durante cerca de 15 dias

CARLOS BARROSO/LUSA

A associação sindical dos investigadores da Polícia Judiciária decidiu manter a greve prevista para janeiro, após a reunião desta sexta-feira no Ministério da Justiça que terminou com “alguns compromissos, mas sem nada concreto”, segundo o presidente da estrutura.

Ricardo Valadas, presidente da Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal da PJ (ASFIC/PJ) disse à Lusa, após a reunião no ministério, que “foram assumidos compromissos por parte do Governo, mas que nada de concreto foi materializado”, não havendo, em seu entender “motivos para cancelar os dois dias de greve previstos”.

“Ficámos agradados com os compromissos assumidos, percebe-se que há trabalho feito por parte do ministério, mas apesar de nos agradar o trabalho feito continuamos na expectativa”, disse o sindicalista, ressalvando que foram dadas garantias à ASFIC que a proposta estatutária e a lei orgânica serão apresentadas em janeiro”. A ministra Francisca Van Dunem, mostrou-se, segundo Ricardo Valadas, “fortemente empenhada em abrir, em 2019, um concurso para mais inspetores”.

No início do mês, a ASFIC e os sindicatos que representam os restantes funcionários da PJ anunciaram uma greve de dois dias que, segundo Ricardo Valadas, poderão incapacitar a polícia durante cerca de 15 dias. A greve foi na quinta-feira ratificada por unanimidade pelo conselho nacional da estrutura sindical. Foi também decidido realizar uma greve ao trabalho extraordinário durante um mês.

Entre as reivindicações dos funcionários da PJ estão a revisão do estatuto profissional e a contagem do tempo em que as carreiras estiveram congeladas, uma vez que os investigadores da PJ têm uma carreira especial, como os professores. Os inspetores da PJ querem ainda um reforço de efetivos e um investimento na estrutura da Polícia Judiciária.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)