UTAO

INE divulga saldo orçamental até setembro

INE divulga hoje o saldo orçamental até setembro, com a Unidade Técnica de Apoio Orçamental a prever um excedente de 0,8% nesse período. Governo estima um défice de 0,7% para o conjunto do ano.

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O INE divulga hoje o saldo orçamental até setembro, com a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) a prever um excedente de 0,8% nesse período, enquanto o Governo estima um défice de 0,7% para o conjunto do ano.

Até junho, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), o défice em contas nacionais situou-se em 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB), abaixo dos 6,1% registados no período homólogo. “No conjunto do 1.º semestre de 2018, o saldo global das Administrações Públicas fixou-se em -1.864,7 milhões de euros, representando -1,9% do PIB (-6,1% em igual período do ano anterior)”, anunciou em setembro o INE.

O Governo mantém a meta do défice em 0,7% para o conjunto do ano, apesar de o Conselho das Finanças Públicas ter já revisto em baixa a sua projeção para 0,5% em 2018.

Por sua vez, a UTAO, na análise à execução orçamental de outubro, estima um excedente orçamental em contas nacionais entre 0,5% e 1,1% do PIB, até final do terceiro trimestre de 2018. “O valor central deste intervalo (0,8%) excede em 1,5 pontos percentuais do PIB a meta para o conjunto do ano 2018 revista pelo Ministério das Finanças no âmbito do PE/2018-22 [Programa de Estabilidade] e confirmada na estimativa apresentada em outubro último”, lê-se no relatório da UTAO.

Segundo os técnicos de apoio ao parlamento, para o quarto trimestre “são esperadas pressões descendentes sobre o saldo orçamental que não deverão, contudo, colocar em causa a obtenção de um saldo no conjunto dos quatro trimestres melhor do que o projetado pelo Ministério das Finanças”.

O Ministério das Finanças já alertou para a existência de fatores de pressão como o pagamento do subsídio de Natal em novembro ou a injeção no Novo Banco que poderão degradar o saldo orçamental até final do ano.

Um desses fatores é a despesa de 913 milhões de euros referente à injeção de capital no Novo Banco e mais 121 milhões de pagamentos aos lesados do BES. Estes valores não são considerados em contas públicas, mas sim em contabilidade nacional, ou seja, a do INE e a que interessa a Bruxelas.

Outro fator de pressão é o subsídio de Natal que foi pago aos funcionários públicos e aos pensionistas por inteiro em novembro e não em duodécimos, que se estima que venha a degradar o saldo em cerca de 2.980 milhões de euros, segundo as Finanças.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Polémica

Caso encerrado (ainda "O regresso do 'eduquês'")

José Pacheco

O senhor Torgal crê – uma crença não se discute – que as escolas são prédios, dentro dos quais professores do século XX tentam ensinar alunos do século XXI, seguindo práticas pedagógicas do século XIX

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)