“Quando fecho os olhos, vejo uma cidade com tanta história e mais para ser escrita. Pessoas com ideias e com vontade de melhorar o que está à volta delas e às próprias. Um clube que se coloca em campo para ganhar os corações de toda a gente. Então, abro os meus olhos e vejo isso, tudo isto já está aqui. Estou pronto e você?”

O vídeo tem apenas 62 segundos e está no canal oficial do Inter no Youtube. Podia ser o trailer de um filme futurista. Aliás, mais parece mesmo o trailer de um filme futurista. Tão depressa mostra arranha-céus de uma grande metrópole como monumentos antigos com centenas e centenas de anos. Tem pessoas de fundo, muitas pessoas, fontes e um grupo de crianças. No papel de intérprete principal está um chinês. Novo, com cara de miúdo, fato de alta costura. “Um clube que é a expressão de uma cidade. Uma cidade que é feita por e para as pessoas. Um homem que trabalha para todos nós com o objetivo de tornar tudo possível. O presidente do Inter partilha a sua visão futura para o clube”, acrescenta. Ele é Steven Zhang. E faz hoje 27 anos.

Depois de dois anos de sonho com José Mourinho entre 2008 e 2010, altura em que a equipa voltou a ganhar a Champions após dois triunfos seguidos na década de 60, Rafa Benítez conquistou uma Supertaça e um Mundial de Clubes e Leonardo venceu a Taça de Itália; a partir daí, nada. Em 2013, Erick Thohir, empresário indonésio, comprou os 70% de ações de Massimo Moratti e tornou-se proprietário dos nerazzurri; em junho de 2016, a gigante Suning ficou com a maioria da sociedade por 270 milhões de euros. Logo nessa altura, Steven Zhang, ou Zhang Kangyang, entrou na administração; em outubro deste ano subiu a número 1. E entrou num mundo onde desce ao balneário e vê mais de metade dos jogadores mais velhos do que o próprio.

Steven Zhang com Javier Zanetti, antigo capitão do Inter que se tornou vice-presidente para o futebol (Valerio Pennicino/Getty Images)

O Inter ficou estagnado no tempo entre uma era mais tradicional e uma nova ordem que ameaça chegar a muitos mais clubes dos principais campeonatos europeus. Tinha dinheiro, falhava na política. Tinha poder, falhava nas opções. Tinha condições, falhava na forma como rentabilizava as mesmas. O jejum de títulos do conjunto agora comandado por Luciano Spalletti também faz a sua mossa. Os antigos campeões europeus até podem ter uma maior penetração no mercado asiático do que havia anteriormente mas foram vendo o fosso que têm para Juventus aumentar, tanto que o Nápoles se colocou no meio como principal adversário. Zhang sabe tudo isto e sabe também da necessidade de inverter o atual rumo. É nas mãos do chinês de 27 anos que tudo se centra. E o novo patrão tem mostrado pelo menos dois argumentos: sensibilidade e bom senso.

Zhang tão depressa é um milionário que pinta o seu Pagani Huayra personalizado (que custou qualquer coisa como mais de dois milhões de euros…) de azul e preto como o clube como se deslocou às redações de alguns dos principais desportivos transalpinos, como a Gazzetta dello Sport ou o Corriere dello Sport, não só para dar entrevistas mas também para privar com os jornalistas e perceber como olham hoje para o Inter. Na semana passada, numa decisão que só não surpreendeu pelos rumores que já existiam, apostou no antigo CEO da Juventus, Giuseppe Moratta. “A partir de hoje faço parte do grande Inter. É um grande orgulho para mim. Vou ocupar a posição de diretor executivo para a área do desporto, que é uma grande responsabilidade, mas não estou com medo. Para começar um novo caminho é preciso ter coragem”, destacou.

Presidente do Inter com Giuseppe Marotta, antigo CEO da Juventus que reforçou Inter na semana passada (Emilio Andreoli/Getty Images )

Filho de Zhang Jindong, multimilionário que fundou e detém a gigante Suning, nasceu em Nanjing, estudou sempre em colégios internacionais antes de ir para os Estados Unidos, fez todo o percurso académico na área financeira e tirou uma licenciatura de Economia na Escola de Negócios Wharton da Universidade da Pensilvânia. Começou por ser analista da Morgan Stanley, passando depois muito novo para a Suning Holdings Group, segunda maior empresa chinesa não estatal com receitas na ordem dos 69 mil milhões de euros, estando na liderança da divisão internacional.

Amante de velocidade (não perde uma oportunidade para fazer algumas corridas entre amigos) e de moda – como se percebeu nas partilhas que fez ao lado de Giorgio Armani, por exemplo –, assumiu em outubro o controlo do Inter, que quer gerir de forma racional como uma empresa envolvido na emoção intrínseca a um clube com adeptos. Por isso, e depois da contratação de Moratta, tem dois grandes objetivos como base de um trabalho para alcançar resultados a breve/médio prazo: aproveitamento da La Pinetina (agora Suning Training Centre) para produzir cada vez mais talentos próprios que cheguem à equipa principal e aposta no marketing e comunicação digital para tornar o clube numa referência tecnológica mundial.

Temos de recordar que o Inter não é apenas futebol e o que se passa em campo. Vamos continuar a respeitar os valores desportivos de uma competição honesta, com fair play e desportivismo. Juntamente com os acionistas, transmitiremos uma energia positiva para os nossos adeptos e para a sociedade”, destacou Steven Zhang na apresentação como presidente dos nerazzurri.

“Estamos a crescer em todos os aspetos em comparação a como estávamos há cinco anos e temos de continuar assim, como uma equipa no clube. 2018 foi fantástico para o Inter por ter regressado à Liga dos Campeões. Estamos a ser competitivos frente a algumas das melhores equipas do mundo e, comparando com o patamar em que estávamos, melhorámos muito. Quando vejo os jogos, acredito que podemos ser invencíveis e ter muita gente a juntar-se a nós. Eles já nos temem! Agora chegou o momento de falar de títulos e chegarmos ao patamar seguinte. Como clube e como equipa, temos tudo em ordem para voltarmos a ganhar. Não é presunção, é confiança e convicção. Vamos lutar contra todos para ganhar dentro e fora de campo e esperamos vencer de muitos anos sem que isso acontecesse”, atirou no jantar de Natal, no primeiro “elevar de fasquia” no Inter.

Acredito que o sucesso chega sempre do trabalho e do esforço de uma equipa. Só pessoas ingénuas podem acreditar que o sucesso pode ser construído num dia ou por uma pessoa. Não existe nenhuma magia ou fantasia, só muito trabalho ao longo do tempo”, comentou na sua página no Instagram.

Zhang sabe que o futebol é visto como uma religião na Europa. Aliás, é o próprio que o assume em entrevistas. Por isso, e por muita fé que os adeptos possam ter num clube ou numa equipa, são os resultados que ditam os principais mandamentos. E não é fácil nesta altura o Inter assumir-se como favorito à conquista de um título. Depois do sétimo lugar em 2016/17, quando houve três técnicos (Frank De Boer, Stefano Pioli e Stefano Vecchi), Luciano Spalletti, treinador experiente que teve sobretudo sucesso na passagem pelos russos do Zenit entre 2009 e 2014 – antes vencera duas Taças e uma Supertaça com a Roma –, terminou em quarto na última época e ocupa agora a terceira posição, tendo caído da Champions para a Liga Europa. No entanto, até pelo que se viu no último mercado de Verão, ainda parece faltar qualquer coisa para colocar os nerazzurri de novo na rota dos títulos. A não ser que o presidente chinês tenha algum segredo além da energia positiva pela qual se destaca.

Chinês elevou a fasquia no discurso de Natal, colocando maior pressão na equipa para conseguir ganhar títulos (Valerio Pennicino/Getty Images)

Exemplo disso foi a publicação colocada no seu Instagram no início do mês com Francesco, funcionário que decidiu sair para tentar fazer carreira no estrangeiro, ajoelhado a beijar o relvado de San Siro no seu último dia: “Foi isto que ele fez no final do último jogo como funcionário do Inter. Temos a certeza que será um embaixador do Inter e que continuará com o seu coração preto e azul onde quer que vá. As pessoas perguntam-me porquê o Inter, diria que esta imagem diz muito sobre essa questão. O Inter representa muito para as pessoas e para este mundo. Representa energia positiva e a paixão de milhões. Como um grupo unido debaixo de uma grande corporação, temos também orgulho de sermos uma plataforma que produz talento e recursos para o mundo. Os nossos funcionários trabalham de forma diligente para fazer da sociedade um sítio melhor”.

View this post on Instagram

This week, one of our young colleagues left Inter to pursue his career outside of Italy. This is what he did after his last game as an Inter employee. We are sure he will be the ambassador of Inter and continue to carry his black and blue heart wherever he goes. People ask me why Inter, I guess this picture says many things for this question. Inter means so much for the people and for this world. She represents the positive energy and passion of millions. As a united group under the big corporation, we are also proud to be the platform to produce talents and resources for our world. Our employees work diligently around the globe to make this society a better place. Good luck Francesco, Inter is forever your home and your shield. We will continue to fight with a piece of you on and off the pitch. #ForzaRagazzi #ForzaInter #ForzaNerazzurri ⚫️???? \ Questa settimana uno dei nostri giovani colleghi ha lasciato l'Inter per proseguire la sua carriera all'estero. Questa foto dimostra quello che ha fatto dopo la sua ultima partita come impiegato dell'Inter. Siamo sicuri che sarà un ambasciatore dell'inter, che avrà sempre il cuore nerazzurro ovunque vada. La gente mi chiede perché l'Inter, credo che questa foto lo spieghi. L'Inter significa tanto per la gente e il mondo, perché rappresenta l'energia positiva e la grande passione di migliaia di persone. Siamo un gruppo unito con cooperazioni importanti e molto orgogliosi di essere un piattaforma che forma i talenti e offre risorse al mondo. I nostri staff lavorano globalmente per rendere il mondo migliore. Buona fortuna Francesco, l'Inter è sempre la tua casa e il tuo riparo. Continueremo a combattere con un pezzo di te dentro e fuori il campo #ForzaRagazzi #ForzaInter #ForzaNerazzurri ⚫️????

A post shared by Steven Zhang (@stevenzhang91) on