Os encerramentos do aeroporto de Gatwick, o segundo maior do Reino Unido, por suspeita de “uso criminoso de drones” afetaram, desde quarta-feira à noite, cerca de mil voos e mais de 140 mil pessoas, segundo números divulgados este sábado.

A polícia do Reino Unido já informou que duas pessoas foram detidas por suspeita de “uso criminoso de drones” no caso do aeroporto de Gatwick, que obrigou por duas vezes ao seu encerramento (de quarta-feira às 06:30 de sexta-feira e novamente durante a tarde de sexta-feira).

Em comunicado, o aeroporto de Gatwick diz esperar que os 757 voos programados para este sábado, que transportarão 124.484 passageiros, possam operar “com normalidade”. No entanto, avisou que será possível que se produzam alguns atrasos e cancelamentos até à reposição da normalidade no aeroporto após estes três dias de perturbações.

Ainda assim, o aeroporto pede aos passageiros para que entrem em contacto com as companhias para verificarem o estado dos voos antes de se deslocarem e lembrou que “a segurança dos passageiros” será sempre a prioridade.

Na sexta-feira, aquele que é o segundo maior aeroporto do Reino Unido voltou a permitir descolagens e aterragens, apesar de detetado novamente um ‘drone’ (aparelho voador não-tripulado)” que levou a uma breve suspensão dos voos, depois da reabertura de manhã, após 36 horas de encerramento. Na quinta-feira, ficaram em terra 760 voos e no dia seguinte foram cancelados 155, o que afetou mais de 120 mil passageiros, a alguns dias do Natal.

No Reino Unido, o uso de drones perto de aeroportos é punido com pena de prisão até cinco anos.