Rádio Observador

Angola

Total com rede de 45 postos para vender combustíveis em Angola

Petrolífera francesa "também pretende desenvolver através desta parceria tanto atividades de logística como de fornecimento de derivados de petróleo, incluindo a importação e armazenamento primário".

YAHYA ARHAB/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A petrolífera francesa Total anunciou este sábado que vai entrar no ramo da comercialização de combustíveis em Angola através de uma parceria com a estatal angolana Sonangol, que cederá os primeiros 45 postos de abastecimento. Em comunicado enviado à agência Lusa, a multinacional francesa, operadora petrolífera em Angola desde 1953, esclarece que as duas companhias “decidiram criar uma ‘joint-venture’ para desenvolver atividades de retalho e de distribuição no país, o quarto maior mercado da região subsaariana”.

“A ‘joint-venture’ Total-Sonangol irá inicialmente concentrar-se na atividade de distribuição e venda de combustíveis e lubrificantes no segmento B2C [mercado empresarial], lançando uma rede de bombas de combustível com a marca Total. Ela desenvolverá, em paralelo, atividades no B2B [retalho]”, refere a petrolífera francesa.

A Total acrescenta que, “dependendo” dos “avanços no atual processo de liberalização” da comercialização de combustíveis a retalho — que continua concentrada no grupo da empresa estatal Sonangol –, a petrolífera francesa “também pretende desenvolver através desta parceria tanto atividades de logística como de fornecimento de derivados de petróleo, incluindo a importação e armazenamento primário de produtos refinados”.

Com base neste acordo, a Sonangol “vai contribuir com 45 bombas de combustível já existentes em áreas urbanas e nas estradas nacionais” para a parceria, que chegará desta forma a dez províncias do litoral e centro de Angola.

A Total vai trabalhar com o seu parceiro para desenvolver rapidamente esta rede, de forma a alcançar os mais elevados padrões internacionais de venda a retalho e melhorar a qualidade da distribuição de combustível em todo o país”, garante a petrolífera francesa, que em Angola produz, em média, todos os dias, cerca de 230.000 barris de petróleo.

Esta parceria, recorda a Total, ainda está sujeita “à avaliação pelas autoridades que regulam a concorrência” em Angola.

Angola contava em 2015 com mais de 900 postos de abastecimento de combustíveis, segundo dados do Governo. A maioria destes postos, contentorizados e construídos de raiz (494), estava nas mãos da estatal Sonangol Distribuidora.

Seguia-se a privada Pumangol, com 71 postos de abastecimento, e depois a Sonangalp, participada em 49% pela portuguesa Galp Energia e detida maioritariamente pela Sonangol, que operava quase meia centena de postos.

No entanto, a administração da Sonangol anunciou em 2015 que a petrolífera angolana pretendia desinvestir naquela parceria com a portuguesa Galp, por também ter este tipo de operação de retalho, projetando a alienação da sua quota (51%).

Além das três marcas de implantação nacional, a rede de postos de abastecimento de combustíveis angolana era então constituída por mais de 300 operadoras de “bandeira branca”, das quais 221 instaladas em contentores ao longo das principais vias.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)