Primeiro foram os banqueiros, depois os reguladores. A administração Trump está preocupada com a instabilidade nos mercados financeiros, ainda que parte possa ser explicada pelo efeito de medidas e declarações acesas do próprio presidente.  Mas as iniciativas do secretário de Estado do Tesouro parecem ter deixado os investidores ainda mais enervados. O dia foi marcado por mais um ataque do presidente à Reserva Federal, o banco central americano, e por um novo trambolhão em Wall Street.

No domingo, o secretário de Estado do Tesouro, Steven Mnuchin, telefonou aos presidentes dos seis principais bancos americanos e os responsáveis do JP Morgan, Bank of America, Wells Fargo, Goldman Sachs, Citigroup e Morgan Stanley asseguraram que as suas instituições têm capacidade e liquidez para emprestar dinheiro.

Esta segunda-feira, véspera de Natal, o secretário de Estado do Tesouro vai reunir a chamado “Plunge Protection Team”, um grupo de trabalho informal para os mercados financeiros que junta os principais reguladores americanos para analisar todos estes temas, incluindo a independência da Fed.

O “Plunge Protection Team (a tradução literal para português é equipa de proteção de mergulhos) foi criado na Administração de Ronald Reagan para responder a crises nos mercados financeiros, depois do crash bolsista de 1987. Mas o grupo só foi batizado pelo Washington Post em 1997. Desde então reuniu sempre nos períodos de maior crise financeiro, como a de 2008/2009.

A bolsa de Nova Iorque acaba 2018 com o pior ciclo mensal de quedas desde a crise financeira de 2008 que pode mesmo ultrapassar um recorde de perdas da Grande Depressão.

Mas não são apenas os mercados a emitirem sinais vermelhos. O Governo dos Estados Unidos está em shutdown — paralisado por falta de orçamento, no meio da guerra com os democratas por causa do muro na fronteira mexicana — e a economia está a arrefecer. Também há receios sobre a independência da Reserva Federal americana, por causa dos ataques de Trump ao presidente da Fed, sobretudo desde que Jerome Powell subiu as taxas de juro, outra vez.

Ainda esta segunda-feira, Trump voltou a atacar a Fed via Twitter por discordar da política económica seguida pelo banco central dos Estados Unidos. Isto depois de Mnuchin ter afastando publicamente o cenário do afastamento precoce do presidente da Fed, que aliás não pode ser demitido pelo Presidente.

Segundo o presidente americano, o único problema da economia é a Fed que “não tem instinto para o mercado, não entende a necessidade de guerras comerciais ou um dólar forte”. Trump comparou ainda a Reserva Federal a um “poderoso golfista” que não consegue pontos porque não consegue dar tacadas.

Ainda que o comportamento das bolsas não seja comparável a outras crises, os investidores e reguladores estão preocupados e a iniciativa de reunir os reguladores não parece ter acalmado os mercados que esta segunda-feira voltaram a derrapar. O índice S&P que reúne as maiores empresas da bolsa americana derrapou 2,7% esta segunda-feira, numa sessão que fechou mais cedo por causa do Natal.