O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, disse hoje que está quase a terminar a operação do exército para localizar e destruir os túneis alegadamente construídos pelo movimento libanês Hezbollah para entrar em Israel.

Israel lançou a 02 de dezembro uma vasta operação de deteção e destruição de túneis ao longo da sua fronteira com o Líbano. Os militares afirmam ter localizado quatro subterrâneos cavados, dizem, pelo Hezbollah, um movimento inimigo apoiado pelo Irão.

“Foi feito aqui um trabalho excecional para evitar que o Hezbollah use a arma dos túneis”, disse o primeiro-ministro no âmbito de uma visita a um local de operações.

Na sexta-feira o exército israelita disse ter feio explodir o primeiro túnel. Segundo o primeiro ministro um segundo foi destruído no domingo.

Segundo Israel, os túneis seriam usados pelo Hezbollah para atacar militares e civis israelitas, e para se apoderar de uma faixa de território israelita em caso de hostilidades.

A ONU disse a 19 de dezembro que se por um lado os quatro túneis são uma “grave violação” de uma das resoluções que terminaram o conflito israelo-libanês em 2006, por outro não parece que os túneis tenham locais de saída do lado israelita.

O último grande confronto entre o Hezbollah e Israel data de 2006.

Os 33 dias de guerra fizeram 1.200 mortos do lado libanês e 160 do lado israelita. Israel e o Líbano continuam tecnicamente em estado de guerra.