Museus

Fundação EDP iniciou processo de escolha da futura direção do MAAT

A Fundação EDP anunciou esta quarta-feira que já começou o processo de seleção da futura direção do MAAT, em Lisboa. A escolha será feita por convite e será conhecida nos próximos meses.

O arquiteto Pedro Gadanho é o atual diretor do Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, mas deixará o cargo em junho de 2019

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Fundação EDP iniciou o processo de escolha da futura direção do Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa, que irá substituir Pedro Gadanho, a partir do segundo semestre de 2019, indicou esta quarta-feira fonte daquela entidade.

Contactada pela agência Lusa, fonte da Fundação EDP disse que “o processo de escolha, que será por convite, já foi desencadeado”, e que a futura liderança do museu será conhecida nos próximos meses.

Em setembro deste ano, a Fundação EDP tinha anunciado que o arquiteto e ‘designer’ Pedro Gadanho deixará a direção do MAAT, localizado em Belém, no final de junho de 2019.

Na altura, um comunicado indicava que “a Fundação EDP e o arquiteto Pedro Gadanho decidiram, por mútuo acordo, prolongar a colaboração do diretor do MAAT até ao dia de 30 de junho de 2019”.

“Pedro Gadanho assegurará, assim, um período de transição durante o qual a Fundação EDP irá desenvolver os procedimentos necessários para a escolha do novo diretor do MAAT”, acrescentava o mesmo comunicado.

Pedro Gadanho foi contratado para diretor do MAAT por um período de três anos, iniciado em 2015, um ano antes da inauguração do museu, que celebrou em outubro dois anos de abertura ao público.

Antes de entrar na direção do MAAT, Pedro Gadanho era curador do departamento de arquitetura e ‘design’ do Museum of Modern Art (MoMA), em Nova Iorque, que assumira em janeiro de 2012, a que se sucedeu o cargo do MAAT, em Belém, em 01 de outubro de 2015.

Na altura do anúncio do nome do diretor, António Mexia, CEO da EDP, tinha declarado: “O perfil e a experiência internacional de Pedro Gadanho são essenciais para a ambição que queremos para o MAAT, tornando-o um espaço marcante da cultura contemporânea em Portugal”.

Nascido na Covilhã, em 1968, o diretor de programação do MAAT é licenciado em Arquitetura, pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto (FAUP), mestre em Arte e Arquitetura, pelo Kent Institute of Art and Design do Reino Unido, e doutorou-se em Arquitetura e Mass Media pela FAUP, onde também foi docente.

Foi professor convidado em várias instituições europeias, incluindo a BIArch- Barcelona Institute of Architecture, na capital catalã, e a Ecole Spéciale d’Arquitecture (ESA), em Paris.

Foi ainda cofundador e diretor do Centre for Contemporary Urban Culture (CUC), tendo feito parte do conselho estratégico do pavilhão britânico da Bienal de Veneza de 2010 e da DAC/REALDANIA Urban Futures Think Thank em 2011, em Copenhaga.

Em Portugal, foi curador da representação portuguesa na Bienal de Arquitetura de Veneza de 2004, da Exposição Nacional de Arquitetura “Habitar Portugal 06-08”, para a Ordem dos Arquitetos, da Mostra “100 anos de Interiores”, do Museu do Design e da Moda (MUDE), em Lisboa, e de uma intervenção no espaço público com performances de arquitetura para a Guimarães – Capital Europeia da Cultura 2012.

Pedro Gadanho foi ainda editor da revista BEYOND, Short Stories on the Contemporary, do blog ShrapnelContemporary e coautor de duas séries de televisão sobre arquitetura, entre 2000 e 2003.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)