Rádio Observador

Exposições

Coreógrafo Josef Nadj apresenta projeto “Mnémosyne” no Porto a partir de 5 de janeiro

"Mnémosyne", uma exposição fotográfica e um espetáculo do coreógrafo e artista plástico Josef Nadj, vai estar patente de 5 a 25 de janeiro no Mosteiro de São Bento da Vitória, no Porto.

O coreógrafo de origem húngara Josef Nadj está radicado em França há mais de 30 anos

PETER ENDIG/EPA

“Mnémosyne”, uma exposição fotográfica e um espetáculo do coreógrafo e artista plástico Josef Nadj, estreia-se em Portugal, no dia 5 de janeiro, no Mosteiro de São Bento da Vitória, no Porto, anunciou esta quinta-feira o Teatro Nacional São João (TNSJ).

Em comunicado de imprensa, o TNSJ indica que o convite feito ao artista Josef Nadj, para regressar a Portugal, vai efetivar-se em janeiro, no Mosteiro de São Bento da Vitória, com o projeto “Mnémosyne” (“Memória de um mundo”), primeiro com uma exposição fotográfica e, depois, com uma performance, que se apresentam pela “primeira vez em território nacional”, após a estreia na Biennale de la Danse de Lyon 2018, no passado mês de setembro, no Musée des Beaux-Arts, da cidade francesa.

O artista de origem húngara, radicado em França há mais de 30 anos, vai mostrar um trabalho “onde se convoca a arte total, numa fusão de disciplinas artísticas”. Para realizar o projeto, Josef Nadj concebeu um projeto que coloca as rãs como “modelos simbólicos do seu desejo de hibridização”, explica o comunicado de imprensa divulgado pelo TNSJ.

“Foi a visão destes animais dessecados e esmagados durante um passeio de bicicleta, na sua terra natal, que deu origem a 100 fotografias — cada uma a contar uma história”, escreve o TNSJ.

A mostra de fotografia e vídeo e o espetáculo decorrem no Mosteiro de São Bento da Vitória (MSBV). A exposição vai estar patente de 5 a 25 de janeiro; o espetáculo, para maiores de 14 anos, vai poder ser visto de 17 a 20 de janeiro.

Josef Nadj, que já apresentou em Portugal os quadros vivos de “Les Corbeaux” (2011) e o espetáculo de teatro artesanal e poético de “ATEM le souffle” (2012), conduz agora o espetador a uma caixa preta, uma espécie de microcosmos do mundo — “Mnémosyne” –, onde o coreógrafo cruza linguagens da representação e da dança, a uma curta distância do público.

“Mnémosyne” é um “tributo pessoal e transversal a “Atlas”, o projeto inacabado do historiador alemão de arte Aby Warburg, e “uma autêntica obra de arte total: ao mesmo tempo instalação, performance e exposição”, adiantou Marylène Malbert, jornalista e crítica de arte moderna e contemporânea, após uma entrevista ao artista Josef Nadj.

A apresentação de “Mnémosyne” no Porto é a primeira da obra, desde a estreia em Lyon, abrindo uma digressão que também passa por Cherbourg, Brest, Bruxelas e Paris, ao longo do primeiro semestre.

Josef Nadj nasceu em Kanjiza, Voivodine, enclave de língua húngara, na Sérvia. Formado em Belas-Artes, em Budapeste, fixou-se em Paris, no início dos anos de 1980, onde teve formação em dança contemporânea e trabalhou com profissionais como Sidonie Rochon, Mark Tompkins, Catherine Diverrès e François Verret.

Estreou-se como coreógrafo com “Canard Pékinois” (1987), o primeiro de cerca de 40 espetáculos criados desde então, levados a palcos de mais de 50 países, num trabalho em que combina a sua formação plástica com a dança. Nesse processo cabem nomes que vão do universo literário de Samuel Beckett, Franz Kafka ou Henri Michaux à pintura de Miquel Barceló e à música de Akosh Szelevényi ou Joëlle Léandre.

Josef Nadj foi artista convidado de iniciativas como o Festival d’Avignon e a Quadrienal de Praga, dirigiu o Centro Nacional de Coreografia de Orleães, em França, de 1995 a 2016, e fundou a sua própria companhia, Atelier 3+1, em 2017. Recebeu as insígnias de Cavaleiro das Artes e das Letras, em 2002, e de Oficial das Artes e das Letras, em 2011.

A sua obra mais recente, “Mnémosyne”, ficará no Porto, no Mosteiro de São Bento da Vitória, até 25 de janeiro. O preço dos bilhetes para o espetáculo é de dez euros, estando em cena às quintas-feiras, às 19h e às 21h, e às sextas-feiras, às 19h, às 21h e às 23h. No sábado, “Mnémosyne” pode ser visto às 17h, 19h, 21h e 23h e, no domingo, tem hora marcada às 16h e às 18h.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)