Google

Google conquista licença para competir com a banca na Europa

736

A Google obteve a sua primeira licença bancária, na Lituânia, o que lhe permitirá fornecer serviços financeiros em todo o espaço económico europeu. Google fica assim mais perto de se tornar um banco.

WALTER BIERI/EPA

É o primeiro passo para uma gigante tecnológica ficar mais parecida com um autêntico banco: a Google obteve a sua primeira licença bancária, a partir da Lituânia, e vai poder disponibilizar serviços financeiros idênticos aos que os bancos tradicionais fornecem em todo o espaço económico europeu.

Segundo explicam o jornal espanhol El Economista e o Jornal de Negócios, a Google vai passar agora a atuar como qualquer outra finetch — empresas que juntam os termos finanças e tecnologia e se dedicam à inovação e otimização de serviços financeiros e que beneficiam de custos operacionais menores quando comparado com os bancos tradicionais. Apesar de ter funções limitadas em comparação com a banca, a empresa tecnológica vai poder processar pagamentos, depósitos e transferências bancária,s assim como remessas internacionais.

Por ter adquirido a licença na Lituânia, que é um país mais permissivo neste tipo de processos, a permissão estende-se a todos os países do espaço económico europeu, repetindo-se o que aconteceu com o Facebook, que obteve a mesma licença na Irlanda, e com a Amazon que obteve no Luxemburgo.

As fintech, contudo, ainda não são regulamentadas como a banca tradicional, o que faz com que muitos especialistas alertem para os perigos que as grandes plataformas digitais representam para a banca.

Segundo o Negócios, Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, tem vindo a alertar para o facto de as extensas bases de dados das gigantes tecnológicas representarem grandes desafios para os bancos. É que, segundo o governador, os bancos tradicionais têm bases de dados mais limitadas geograficamente do que as bases de dados das gigantes tecnológicas, e têm sistemas mais pesados e menos ágeis do que as empresas tipo Google, Facebook, Apple e Amazon.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)