Rádio Observador

Futebol

“No Mundo e no futebol desejo sempre educação e respeito”. Ronaldo sai em defesa de Koulibaly

445

Nápoles perdeu em Milão com o Inter num jogo marcado pelos insultos racistas ao senegalês Koulibaly. Ancelotti ameaça retirar equipa de campo e também Ronaldo já saiu em defesa do central de 27 anos.

Ronaldo com Koulibaly no último Juventus-Nápoles: insultos racistas nesse jogo levaram à interdição de dois setores do estádio da Juve

AFP/Getty Images

No intervalo do encontro entre Inter e Nápoles, que terminou com o triunfo do conjunto de Milão por 1-0 com golo de Lautaro Martínez nos descontos, alguns adeptos do clube visitante condenavam já os insultos racistas a Kalidou Koulibaly, senegalês de 27 anos que está nos napolitanos desde 2014 e faz parte do lote de capitães com Hamsik e Insigne. No decorrer da primeira parte, o speaker de San Siro tinha avisado por uma vez os adeptos nerazzurri para não terem essas manifestações; até ao final da partida, houve mais dois alertas através da instalação sonora. Sempre sem efeitos práticos.

Num encontro sempre muito intenso, o central acabaria por ser expulso a nove minutos do final por Paolo Silvio Mazzoleni numa situação onde o internacional carregou Politano num lance que poderia criar perigo pela direita do ataque do Inter, viu amarelo, bateu palmas ao árbitro pela decisão e acabou por ser expulso. No final, o jogador lamentou ter prejudicado a equipa, que viria a perder reduzida a dez (e depois de ter falhado uma oportunidade clamorosa em cima do minuto 90 por Zielinski), mas defendeu-se, à semelhança do que já tinha acontecido com o seu treinador, Carlo Ancelotti.

Tenho orgulho na cor da minha pele. Tenho orgulho de ser francês, senegalês, napolitano: homem. Sinto muito pela derrota e por ter deixado os meus irmãos”, escreveu na sua conta oficial do Twitter.

“Pedimos a suspensão do jogo três vezes devido a cânticos racistas, ouviram-se três avisos no estádio e nada foi feito. A expulsão dele, a nove minutos do final, foi determinante para o resultado. Ele não estava calmo por causa de tudo o que estava a acontecer porque houve sons racistas durante todo o jogo. Queremos saber quando é que isto vai acabar. Um dia que isto aconteça vamos abandonar o relvado e depois que nos atribuam a derrota”, ameaçou o experiente técnico.

O episódio está a motivar uma série de reações, de condenação pelos insultos e de apoio ao internacional senegalês nascido em França e também Cristiano Ronaldo já fez questão de juntar-se à onda de solidariedade com Koulibaly. “No Mundo e no futebol desejo sempre educação e respeito. Não ao racismo ou a qualquer ofensa e discriminação”, escreveu na sua conta do Instagram, numa mensagem em italiano acompanhada de uma foto com o central no último Juventus-Nápoles.

Recorde-se que este não é o primeiro episódio que acontece com o defesa do Nápoles. Esta temporada, por exemplo, o central foi alvo de insultos racistas no Allianz Stadium, aos 51 minutos de um jogo em que a Juventus venceu o Nápoles por 3-1, e a Vecchia Signora teve de jogar com o Génova com parte de uma bancada fechada. Posteriormente, houve um acordo com a Federação Italiana de Futebol para que esses dois setores do recinto fossem ocupado por crianças das escolinhas dos dois clubes, num dia que teve antes ações de sensibilização contra o racismo e a discriminação. Antes, Kalidou Koulibaly tinha sido também visado no Olímpico de Roma, num encontro frente à Lazio, e… em San Siro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)