481kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

O que os portugueses mais discutiram no Facebook em 2018

Este artigo tem mais de 3 anos

Os Óscares, a exibição de Portugal no campeonato mundial de futebol e a morte de Stephen Hawking foram os assuntos que mais levaram os portugueses a manifestar-se no Facebook, em 2018.

Mais de 383 milhões de fãs de futebol apoiaram as suas equipas favoritas pelo Facebook
i

Mais de 383 milhões de fãs de futebol apoiaram as suas equipas favoritas pelo Facebook

AFP/Getty Images

Mais de 383 milhões de fãs de futebol apoiaram as suas equipas favoritas pelo Facebook

AFP/Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Óscares, Portugal no Mundial, a morte de Stephen Hawking e as celebrações do Dia da Mulher. Foram estes os temas que os portugueses mais discutiram no Facebook, em 2018, revelou a maior rede social do mundo esta quinta-feira em comunicado. Depois, foi a participação da seleção espanhola no Mundial de Futebol, o anúncio sobre o óleo de palma e a morte de Aretha Franklin que mais levaram os portugueses a manifestar-se. No final do top 10 dos assuntos mais discutidos, estão as agressões aos jogadores do Sporting, na Academia de Alcochete.

Quanto aos eventos, aqueles que mais pessoas reuniram no Facebook foram os relativos ao festival de música NOS Alive, à Queima das Fitas do Porto, ao concerto (que não aconteceu, era apenas um pedido) de Maria Leal No Rock in Rio, à tour europeia dos Pearl Jam e à Noite Branca, em Braga. Já o vídeo em direto que mais destaque teve em Portugal, superando as 4 milhões de visualizações foi o da acordeonista Rita Melo.

[Clique na imagem para ver o vídeo]

No resto do mundo, os assuntos que os 2,2 mil milhões de utilizadores do Facebook mais discutiram foram o Dia Internacional da Mulher, que lidera o ranking pelo segundo ano consecutivo. Em segundo lugar, surge o movimento norte-americano”March for Our Lives”, que se formou depois da morte de 14 estudantes e três professores em Parkland, na Flórida. Este movimento quer acabar com os massacres nas escolas e apelar a uma maior restrição no acesso às armas e conseguiu angariar mais de 2,5 milhões de dólares na rede social.

Em matéria de envolvimento cívico, as eleições presidenciais no Brasil e as intercalares nos Estados Unidos foram as mais discutidas.

Quanto aos eventos no mundo todo, o destaque vai para o Mundial 2018: mais de 383 milhões de fãs de futebol apoiaram as suas equipas favoritas pelo Facebook através de 2,3 mil milhões de publicações, comentários, reações e partilhas.

Logo a seguir está o Super Bowl 52: mais de 62 milhões de pessoas foram comentar no Facebook o passe incompleto Hail Mary, de Tom Brady, no fim do jogo, e o concerto de Justin Timberlake, no intervalo, em tributo a Prince. A realeza britânica também mereceu destaque: o casamento do Príncipe Harry com Meghan Markle juntou 42 milhões de pessoas no Facebook.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.