Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“O Amante Duplo”

Chloé (Marine Vacth), uma jovem extremamente sensível, vai consultar um psicanalista, Paul (Jérémie Renier). Acabam por se apaixonar um pelo outro e vão viver juntos. Mas um dia, Chloé descobre que Paul tem um irmão gémeo, Louis (Renier repete o papel), também psicanalista, cuja existência lhe escondeu. E porque é que Paul também nunca lhe disse absolutamente nada sobre a família? Chloé vai investigar e acaba por se envolver com o brusco e amoral Louis. François Ozon baseou-se livremente num romance de Joyce Carol Oates para rodar este “thriller” obsessivo, sinuoso e doentio, por vezes demasiado afetado, cheio de imagens espelhadas e em que nada parece certo e seguro. O realizador francês vai “picar” tematica e visualmente a vários sítios — Lynch. Cronenberg, Hitchcock, De Palma – sem por isso abdicar da sua identidade.

“Dogman”

Um filme menor do italiano Matteo Garrone, o autor dos excelentes “Gomorra”, “Reality” e “O Conto dos Contos”. Marcello (Marcello Fonte), um tratador de cães, divorciado e pai de uma filha pequena, que também vende cocaína, é constantemente aterrorizado por Simoncino (Edoardo Pesce), o brutamontes do bairro, um ex-pugilista que todos temem, e o força a participar nos seus assaltos. Fonte ganhou o Prémio de Melhor Actor em Cannes pela sua interpretação do lingrinhas e pusilânime “Dogman” do título, uma figura-tipo da comédia italiana, o pobre diabo que se submete a todos os destratos e humilhações para sobreviver, mas o filme, de um realismo álgido, e passado na mesma zona de Nápoles onde Garrone rodou “Gomorra”, é escasso de história, caracterização e drama.

https://youtu.be/LI2JE_xjAaY

“O Ben Está de Volta”

Estamos a poucos dias do Natal, numa casa de família de um subúrbio próspero de Nova Iorque. Holly Burns (Julia Roberts) é surpreendida pelo aparecimento de Ben (Lucas Hedges), o filho mais velho do seu primeiro casamento. É uma alegria tê-lo em casa inesperadamente para passar a quadra. Mas é também uma aflição. Porque Ben é um toxicodependente relapso que está internado numa clínica para desintoxicação, e pode a qualquer momento recomeçar a drogar-se. E tentações e tentadores não faltam à sua volta. Por isso, a mãe, que o adora, agarra-se a ele como uma lapa a uma rocha e não o vai largar de vista, onde quer que ele esteja ou vá. E por isso, vai fazer uma viagem de terror pela vida secreta do filho. “O Ben Está de Volta” foi escolhido como filme da semana pelo Observador, e pode ler a crítica aqui.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR