Crédito à Habitação

Avaliação bancária à habitação subiu 6,2% para 1.215 euros em novembro

O valor médio da avaliação bancária no âmbito de pedidos de crédito para a habitação subiu 6,2% em novembro, em termos homólogos, representando ainda uma subida de 0,2% face a outubro, revela o INE.

A maior subida a nível regional deu-se nos Açores, já a maior queda deu-se no Alentejo

MÁRIO CRUZ/LUSA

O valor médio da avaliação bancária no âmbito de pedidos de crédito para a habitação subiu 6,2% em novembro, em termos homólogos, para 1.215 euros por metro quadrado (m2), divulgou esta sexta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Este valor representa também uma subida face a outubro, de 0,2%, segundo o INE, o que equivale a mais três euros.

“Quando comparado com o mês anterior, o valor médio de avaliação dos apartamentos em novembro manteve-se em 1.277 euros/m2. Nas moradias, o valor médio de avaliação subiu cinco euros para 1.115 euros/m2”, adiantou o INE.

O Instituto revelou ainda que, a nível regional, “a maior subida para o conjunto da habitação registou-se na Região Autónoma dos Açores (0,7%), tendo-se verificado a descida mais acentuada no Alentejo (-1,5%)”.

No que diz respeito aos apartamentos, em novembro “o valor mais elevado foi observado na região do Algarve (1.589 euros/m2) e o mais baixo no Alentejo (1.015 euros/m2)”, salientou o INE.

Face aos valores de outubro, “a Região Autónoma dos Açores apresentou a maior subida (4,4%) e o Alentejo registou a maior descida (-2,0%)”.

Por outro lado, em termos homólogos, “o Algarve apresentou o crescimento mais expressivo (10,0%) e a Região Autónoma da Madeira a única descida (-1,1%).”

O INE revelou ainda que o valor médio da avaliação dos apartamentos T2 “foi 1.286 euros/m2 (menos dois euros do que no mês precedente)”. Já no caso dos T3, “observou-se uma subida de dois euros, para 1.208 euros/m2”.

No segmento das moradias, os valores mais elevados registaram-se na Área Metropolitana de Lisboa (1.560 euros/m2) e no Algarve (1.533 euros/m2), sendo o mais baixo no Centro (965 euros/m2). “Comparativamente com outubro, a Área Metropolitana de Lisboa apresentou o maior aumento (1,3%), enquanto na Região Autónoma da Madeira se registou a maior diminuição (-3,3%). Em termos homólogos, o maior aumento observou-se na Área Metropolitana de Lisboa (12,0%) e o menor ocorreu na região do Alentejo (2,8%)”, salientou o INE.

Face a outubro, o valor da tipologia de moradias T3 subiu um euro para 1.094 euros/m2. “A moradia tipo T4 apresentou uma subida de 13 euros para 1.163 euros/m2 “, avançou o INE.

Por regiões, o Algarve, a Área Metropolitana de Lisboa, a Região Autónoma da Madeira e o Alentejo Litoral “apresentaram valores de avaliação superiores à média nacional (30%, 23%, 9% e 3% acima do registado para o país, respetivamente). A região das Beiras e Serra da Estrela foi a que apresentou o valor mais baixo em relação à média nacional (-32%)”, de acordo com o Instituto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Caixa Geral de Depósitos

E Berardo deixou-os nús /premium

Helena Matos
1.013

A fúria dos seus parceiros nasce não do que Berardo fez mas sim daquilo que expôs sobre eles e como exercem o poder. Do BCP ao CCB, Berardo, o capitalista de Estado, é a outra face do socialismo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)