Pelo menos 15 jovens estão presos numa mina de carvão ilegal na Índia há duas semanas. Na passada quarta-feira, tal como escreve o britânico The Guardian, as esperanças de encontrá-los com vida eram escassas. A mina é de difícil acesso e tinha sido fechada há quatro anos, mas os proprietários continuaram a sua exploração. No dia 13 de dezembro, na sequência de uma inundação, a instabilidade da mina enterrou o grupo de mineiros.

Os jovens estão retidos a 100 metros de profundidade no interior da mina, localizada no estado de Meghalaya, desde então. As operações de resgate foram suspendidas no último domingo devido às inundações provocadas por um rio próximo. Mais de 100 operacionais da força nacional de resposta a desastres (NDRF) estão acampados no local e a tentar bombear a água em excesso, mas a falta de equipamento sofisticado estará a comprometer a evolução do resgate. Segundo a CNN, as autoridades instalaram duas bombas e já entraram em contacto com especialistas para garantir suporte técnico, de maneira a aumentar a eficiência de extração das respetivas bombas.

A exploração de minas foi banida no estado de Meghalaya em 2014 por ordem de um tribunal federal, mas a extração de carvão continua a acontecer de forma ilegal. Para o efeito, são usadas minas com estruturas perigosas: os lados das colinas são escavados e, posteriormente, são criados túneis horizontais para se alcançar as camadas de carvão, tal como explica o The Guardian. Quem trabalha nestas minas — e entre o grupo de trabalhadores estão crianças — é forçado a descer metros e metros em escadas de bambu.

Em 2012, na sequência de um acidente semelhante, também 15 mineiros ficaram presos no interior de uma outra mina. Os seus corpos nunca foram encontrados. Ainda este ano, 12 rapazes conseguiram ser resgatados com vida depois de ficarem presos, sem comida e sem água, durante vários dias na gruta de Tham Luang, na Tailândia.