O jornalista moçambicano Ericino de Salema foi nomeado para o cargo de diretor residente do Electoral Institute for Sustainable Democracy in Africa (EISA), uma instituição vocacionado para monitorização de processos eleitorais no continente africano.

A nomeação de Ericino de Salema para diretor residente do EISA em Moçambique surge na sequência de um concurso público anunciado pela instituição, de acordo com jornal eletrónico Carta de Moçambique.

O jornalista moçambicano começa a exercer funções a 1 de janeiro e vai substituir Miguel de Brito, que dirige a instituição em Moçambique desde 2007.

Além de jornalista, Ericino de Salema é jurista e também professor universitário.

O jornalista esteve vinculado a vários órgãos de comunicação social moçambicanos, mas nos últimos tempos tem estado ligado a organizações não-governamentais para o fortalecimento da sociedade civil e promoção da liberdade de expressão e imprensa.

Em junho deste ano, o jornalista foi indicado para integrar uma equipa de oito peritos de África encarregue de conduzir o processo de revisão da Declaração de Princípios sobre a Liberdade de Expressão no continente.

Um mês antes, Ericino de Salema foi raptado por desconhecidos à saída do Sindicato Nacional de Jornalistas (SNJ), onde estivera a almoçar, tendo sido agredido com instrumentos contundentes nas pernas.

Os agressores abandonaram o jornalista perto da estrada circular de Maputo, momentos antes de ser encontrado por populares que o levaram ao hospital.

A polícia moçambicana ainda não anunciou nenhuma detenção relacionada com o caso.

À data do seu rapto e agressão, Ericino de Salema era comentador do programa “Pontos de Vista”, do canal privado de televisão STV.