Cinema

De Robert Redford a Snu Abecassis: dez filmes que vamos querer ver no início de 2019

130

Eurico de Barros foi ver as estreias que estão previstas para os primeiros meses do ano. Escolheu dez títulos que vamos querer ver e que chegarão aos cinemas portugueses entre Janeiro e Março.

Autor
  • Eurico de Barros
Mais sobre

A despedida de Robert Redford do cinema como ator; o novo filme realizado e interpretado por Clint Eastwood; uma grande produção histórica feita por um grego em Inglaterra; uma ficção científica “cyberpunk” produzida e escrita por James Cameron; um “western” rodado por um francês em Espanha e na Roménia com atores americanos; uma biografia de Snu Abecassis; uma versão de “Dumbo” em imagem real assinada por Tim Burton. Estes são alguns dos títulos que selecionámos entre os que se vão estrear nos primeiros três meses de 2019. E vários deles apresentam-se como fortes candidatos às nomeações aos Óscares.

“O Cavalheiro com Arma”

de David Lowery

Aos 82 anos, Robert Redford retira-se do cinema em grande estilo, no papel de Forrest Tucker, um septuagenário que assalta bancos compulsivamente, e com modos de “gentleman”, neste belíssimo filme de David Lowery baseado em factos reais. A história passa-se no início dos anos 80 e Redford está muito bem acompanhado: Casey Affleck, Sissy Spacek, Danny Glover e Tom Waits. (Estreia: dia 3 de Janeiro)

“Green Book — Um Guia para a Vida”

de PeterFarrelly

Viggo Mortensen e Mahershala Ali interpretam esta comédia dramática ambientada no Sul dos EUA, na década de 60. Mortensen é um segurança de clubes noturnos contratado para ser o motorista de um pianista de música clássica negro (Ali), que anda em digressão por aquela região do país. O filme é considerado um dos principais candidatos às nomeações aos Óscares. (Estreia: dia 24 de Janeiro)

“Correio de Droga”

de Clint Eastwood

No seu novo filme como realizador e ator, Clint Eastwood dá corpo a um veterano de guerra octogenário, arruinado e incompatibilizado com a família, que começa a transportar droga de um cartel mexicano no seu camião, usando o dinheiro que ganha para tentar melhorar a sua vida e reconciliar-se com os familiares. Também com Bradley Cooper, Lawrence Fishburne e Dianne Wiest. (Estreia: dia 31 de Janeiro)

“A Favorita”

de Yorgos Lanthimos

Um drama histórico passado em Inglaterra no início do século XVIII, rodado pelo grego Yorgos Lanthimos. Duas mulheres, Lady Sarah (Rachel Weisz), e Abigail, uma ambiciosa serva (Emma Stone), gravitam em redor da rainha Ana (Olivia Colman), doente e influenciável. Depois de se insinuar junto de Sarah, invocando as suas raízes aristocráticas, Abigail prepara-se para a manipular e conseguir ficar ainda mais próxima da monarca. (Estreia: dia 7 de Fevereiro)

“Alita: Anjo de Combate”

de Robert Rodriguez

James Cameron produz e participa no argumento, e Robert Rodriguez realiza este filme de ficção científica “cyberpunk” adaptado de uma “manga” japonesa. A jovem Alita (Rosa Salazar) desperta num futuro que não conhece e é protegida dos perigos pelo bondoso Dr. Ido (Christoph Waltz), acabando por descobrir quem é na verdade: uma ciborgue com extraordinárias capacidades de combate. (Estreia: dia 14 de Fevereiro)   

“Todos Sabem”

de AsgharFarhadi

Javier Bardem, Penélope Cruz e Ricardo Darín encabeçam o elenco do novo filme do oscarizado realizador iraniano Asghar Farhadi, o autor de “Uma Separação”, “O Passado” e “O Vendedor”. Penélope Cruz interpreta uma espanhola que vive na Argentina e regressa ao seu país natal para ir ao casamento da irmã, mas vai deparar-se com situações e revelações muito perturbadoras, relacionadas com a vida da sua família. (Estreia: dia 14 de Fevereiro)

“Vice”

de Adam McKay

Assinada pelo realizador de “A Queda de Wall Street”, esta fita sobre Dick Cheney, que foi Secretário da Defesa de George Bush, e Vice-Presidente dos EUA na administração de George W. Bush, está nomeada para seis Globos de Ouro. E pelo andar da carruagem, deverá obter também muitas indicações aos Óscares. Christian Bale personifica Cheney, Amy Adams é a sua mulher Lynne, Sam Rockwell é George W. Bush e Steve Carell faz de Donald Rumsfeld. (Estreia: dia 14 de Fevereiro)

“Os Irmãos Sisters”

de Jacques Audiard

Joaquin Phoenix e John C. Reilly incarnam os irmãos Sisters do título deste peculiar “western” que o francês Jacques Audiard rodou sem pôr os pés nos EUA, e escolhendo a Espanha e a Roménia como cenários. Encabeçando um elenco quase totalmente americano, Phoenix e Reilly são pistoleiros contratados, que andam à procura de um químico que inventou um produto que facilita a pesquisa de ouro nos rios, e que está a fugir a um poderoso bandido. (Estreia: dia 21 de Fevereiro)

“Snu”

de Patrícia Sequeira

Interpretada por Victoria Guerra na série da RTP “Três Mulheres”, a sueca Snu Abecassis, aliás, Ebba Merete Seidenfaden, é personificada por Inês Castel-Branco neste filme realizado por Patrícia Sequeira (Jogo de Damas). A história segue-a, desde que nos anos 60 se instalou em Portugal com o marido, Vasco Abecassis, até se envolver sentimentalmente com Francisco Sá Carneiro, líder do PPD e futuro primeiro-ministro de Portugal, e morrer ao seu lado na tragédia de Camarate. (Estreia: dia 7 de Março)

“Dumbo”

de Tim Burton

O novo filme de Tim Burton para a Disney não é um “remake” da longa-metragem animada homónima, apresentando uma história nova que aproveita a ideia central desta: um elefantezinho nasce num circo com orelhas enormes, que o tornam motivo de troça, mas descobre que elas lhe permitem voar. Danny DeVito, Eva Green, Colin Farrell, Michael Keaton e Alan Arkin interpretam esta fita que combina imagem real e efeitos digitais. (Estreia: dia 28 de Março)

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)