Rádio Observador

Caso Lava Jato

Especialista afirma que empresas envolvidas na Lava Jato “terão de se reinventar para sobreviver”

A Operação Lava Jato desvendou um esquema de corrupção em várias empresas públicas, como a petrolífera Petrobras, mas também grandes construtoras como Odebrecht ou a Andrade Gutierrez.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O analista político Nauê Azevedo considerou esta segunda-feira que as empresas brasileiras envolvidas na operação Lava Jato, como é o caso do grupo Andrade Gutierrez e da Odebrecht, terão de “se reinventar para sobreviver ao Governo de Bolsonaro”.

“Essas empresas que foram envolvidas em escândalos de corrupção, sobretudo na Lava Jato, terão de se reinventar. Vivemos agora uma onda moralizadora, como foi visto durante o processo eleitoral. O candidato vencedor (Jair Bolsonaro) vinha com esse discurso de combate à corrupção e se essas empresas não encontrarem outras fontes de financiamento que não seja o próprio Governo, elas não vão conseguir crescer mais”, declarou Nauê Azevedo, analista político e professor da Universidade de Brasília (UnB).

A Operação Lava Jato desvendou um esquema de corrupção em várias empresas públicas, como a petrolífera Petrobras, mas também grandes construtoras como Odebrecht ou a Andrade Gutierrez. Implicadas em escândalos de corrupção, dentro e fora do Brasil, que abrangiam o continente Africano, estas duas construtoras viram a operação Lava Jato, uma investigação da justiça brasileira focada no desvio de recursos públicos e branqueamento de capitais, desvendar vários esquemas ilegais. As empresas pagavam subornos a políticos em troca de benefícios em decisões governamentais, aprovação de leis e concessões de obras públicas.

Segundo a investigação, envolvido nesses projetos ilícitos estava também o Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social brasileiro (BNDES) que terá concedido empréstimos a países africanos, como é o caso de Moçambique, em troca da atribuição de obras públicas nesses países às empresas brasileiras em causa. “Essas empresas (Andrade Gutierrez e Odebrecht) sofreram um embate muito grande por causa das operações anticorrupção e isso certamente vai influenciar (o crescimento das construtoras)” disse Nauê, acrescentando que Bolsonaro irá evitar o investimento em África, apesar da integridade das empresas brasileiras estar salvaguardada por seguros.

A linha do futuro executivo de Bolsonaro aparenta ser mais nacionalista no sentido de (não) investir nesses países (africanos) como fez o Governo do Partido dos Trabalhadores (PT). Os países dão calotes, mas as empresas não saem prejudicadas dos negócios porque existe um seguro. Então, quando um país não paga ao BNDES, o tesouro nacional vai lá e paga. Mas agora essa fonte vai secar”, considerou o analista político.

Tanto o grupo Andrade Gutierrez como a Odebrecht, cresceram muito com base numa estratégia de absorção de recursos públicos, em que acabaram por vencer muitas licitações públicas e, na visão do professor brasileiro, as empresas não têm outra opção senão procurarem outros segmentos de atuação: “Ou essas empresas se reinventam e abrem novos nichos de mercado ou elas vão passar por um período absurdamente ruim”.

Nauê Azevedo acredita ainda que Jair Bolsonaro irá ter um mandato onde se vai revelar uma desvalorização e descrédito pelas relações com a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em detrimento de uma assumida prioridade de estreitar laços com os Estados Unidos da América (EUA).

“Acredito que, pelo menos no início, a tendência seja essa (afastamento da CPLP), de ele virar um pouco as costas para essas relações e vai tentar alinhar-se mais com os EUA e com o grupo que pressione por um livre comércio”, afirmou o especialista à agência Lusa. Bolsonaro e o seu executivo tomam posse a 1 de janeiro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)