União Europeia

Bucareste assume a sua primeira presidência do Conselho da UE

A Roménia assume esta terça-feira a sua primeira presidência do Conselho da União Europeia. O mandato ficará marcado por difíceis desafios como o Brexit e as eleições europeias.

Autor
  • Agência Lusa

A Roménia assume esta a sua primeira presidência rotativa do Conselho Europeu esta terça-feira. Além de esta ser a sua primeira experiência em presidências do Conselho, a Roménia, o mais jovem Estado-membro da UE, a par da Bulgária (ambos aderiram em 2007), deverá ultrapassar os diferendos políticos internos que dividem o país para fazer face a um semestre europeu com desafios de “extraordinária dificuldade”, como sublinhou recentemente o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker. Terá pela pela frente testes como o Brexit ou as eleições europeias.

Em Bruxelas, é com expectativa que se aguarda pela “passagem de testemunho” de Viena para Bucareste, para uma presidência que não deixa de causar inquietação, face aos desenvolvimentos políticos registados nos últimos meses na Roménia.

Bucareste encontra-se num “braço de ferro” com Bruxelas devido à reforma judicial promovida pela coligação governamental liderada pelos socialistas do Partido Social Democrata (PSD), que já levou a Comissão Europeia a ameaçar levar a Roménia a tribunal.

A anunciada intenção do Governo de alterar a legislação anticorrupção, “suavizando” as penas para determinados tipos de crimes e alterando o código penal relativamente a abuso de poder, motivou, entre 2017 e 2018, as maiores manifestações desde a queda do regime comunista de Nicolae Ceausescu, em 1989, forçando o executivo a recuar nas suas intenções.

Todavia, a coligação governamental de esquerda mantém o propósito de avançar com reformas no setor da Justiça e continua a “desafiar” Bruxelas, sendo o mais recente episódio um projeto de lei que visa conceder amnistias “de modo a reparar injustiças e abusos” cometidos por magistrados no combate à corrupção, e que em última análise poderia beneficiar o próprio líder dos socialistas romenos, Liviu Dragnea, impedido de ser primeiro-ministro por ter sido condenado a dois anos de prisão com pena suspensa.

Internamente, há uma confrontação entre o Presidente Klaus Iohannis (de centro-direita) e o executivo liderado por Viorica Dancila, tendo em novembro o chefe de Estado feito “soar os alarmes” quando declarou que o país não estava preparado para assumir a presidência da UE, posição que pouco depois “reviu”, à luz de uma remodelação governamental.

Com o aproximar da “tomada de posse” da presidência da UE, Bucareste e Bruxelas tentam desanuviar o ambiente, e, por ocasião de uma reunião entre os executivos comunitário e romeno, em 05 de dezembro passado, o presidente da Comissão disse acreditar que as divergências serão resolvidas em breve.

Juncker sublinhou, todavia, que a presidência romena tem lugar “num momento crucial para o futuro da UE”, recordando que caberá à Roménia lidar com a consumação da saída do Reino Unido do bloco europeu (em 29 de março) e o “pós-Brexit”, assim como avançar o máximo possível na negociação sobre o futuro quadro financeiro plurianual da União, o orçamento 2021-2027.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)