Rádio Observador

Brasil

Nunca uma primeira-dama tinha discursado na tomada de posse do marido no Brasil. Michelle fê-lo e em língua gestual

6.383

A mulher de Jair Bolsonaro quebrou todos os protocolos ao discursar antes do marido, no púlpito do Palácio do Planalto onde os novos presidentes se dirigem aos brasileiros. Fê-lo de maneira inusitada.

A mulher de Jair Bolsonaro tem um tio surdo, um histórico de colaborações com a comunidade brasileira com deficiências e levou o marido a fazer-se acompanhar sempre por um intérprete de língua gestual nos discursos

AFP/Getty Images

A imprensa brasileira fala num “gesto inédito na história recente do país”. Quebrando as normas protocolares, a nova primeira-dama do Brasil, Michelle Bolsonaro, discursou antes do marido e no presidente no púlpito montado no exterior do Palácio do Planalto, onde Jair Bolsonaro fez o seu primeiro discurso como chefe de Estado à população.

Michelle Bolsonaro surpreendeu não apenas por discursar — foi a primeira na história do país a fazê-lo, refere o Estadão –, mas também pelo modo como o fez: expressou-se em LIBRAS – língua brasileira de sinais. Os gestos da primeira-dama foram traduzidos em voz alta por uma intérprete, invertendo-se a lógica de seguida no discurso do marido, que falou ao microfone e viu o discurso traduzido por um intérprete de língua gestual.

No discurso, além de falar através de gestos, Michelle Bolsonaro dirigiu-se aos brasileiros que são incapazes de ouvir: “”Gostaria de me dirigir de forma especial à comunidade surda e de deficientes: vocês serão ouvidos”, referiu, aludindo ao “trabalho de ajuda que sempre fez parte da minha [sua] vida” e que pode agora “ampliar de maneira significativa” com os novos poderes. A intérprete dos gestos de Michelle Bolsonaro, que traduzia as expressões gestuais para palavras em voz alta, chegou a emocionar-se, enquanto traduzia as ideias da primeira-dama.

Além de se dirigir à comunidade surda e deficiente, Michelle Bolsonaro fez uma leitura dos resultados das últimas eleições, dizendo que “o cidadão brasileiro quer segurança, paz e prosperidade” e garantindo que no Brasil “todos são respeitados”. A primeira-dama agradeceu ainda todos os que apoiaram o novo presidente brasileiro quando este passou por “momentos difíceis”, referindo-se ao esfaqueamento a Bolsonaro na campanha eleitoral: “Agradeço também a todos aqueles que demonstraram a sua solidariedade pelos momentos difíceis pelos quais o meu esposo passou recentemente. Agradeço à população brasileira pelas orações que nos deram tanta coragem para seguir adiante “.

Estamos todos de um lado só. Juntos alcançaremos um Brasil com educação e liberdade para todos”, referiu ainda Michelle Bolsonaro, num discurso brevemente interrompido com dois beijos trocados com o marido, depois de o tratar como “amado esposo, o nosso presidente”.

A primeira-dama quebrou todos os protocolos ao discursar no Palácio do Planalto, nas cerimónias de posse do seu marido como novo presidente do Brasil. Durante o discurso, chegou a fazer uma pequena pausa para beijar Jair Bolsonaro (EVARISTO SA/AFP/Getty Images)

O “tio surdo” e o trabalho com a comunidade

Nascida em Ceilândia, uma cidade a 26 quilómetros de Brasília, Michelle de Paula Firmo Reinaldo Bolsonaro tem atualmente 38 anos e um histórico de colaboração com a comunidade surda e com comunidades necessitadas do país, que ajuda a explicar a opção por discursar em língua brasileira de sinais. Curiosamente, a colaboração com a comunidade surda até se terá intensificado depois de um desaguisado entre o marido e o fundador e pastor da igreja que Michelle frequentou até 2016, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo (Advec).

Na igreja liderada pelo pastor Malafaia, Michelle Bolsonaro — que na juventude fizera já voluntariado na Bahia — tornou-se inicialmente conhecida por colaborar com obras sociais e na integração social de mulheres com problemas e necessidades, num programa  chamado “Mulheres Virtuosas”. Quando o marido teve um diferendo (ainda não inteiramente explicado) com o pastor, Michelle Bolsonaro acabou por abandonar a igreja, passando a frequentar a Igreja Batista Atitude.

Apesar da ligação com a língua gestual vir de família — tem um tio surdo, que a ajudou a aprender a falar LIBRAS — foi na comunidade religiosa que a acolheu nos últimos três anos, localizada na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio de Janeiro, que Michelle intensificou o seu trabalho social com estas comunidades, trabalhando por exemplo como tradutora das palavras proferidas nos cultos dominicais desta igreja.

A importância que Michelle Bolsonaro tem dada à comunidade surda tinha-se já refletido na campanha presidencial do marido. A 26 de setembro, dia nacional do surdo, a página de campanha de Bolsonaro nas redes sociais publicou um vídeo da atual primeira-dama a comunicar em língua gestual. Os discursos de Bolsonaro enquanto candidato também eram traduzidos por um intérprete de LIBRAS que o acompanhava, e a primeira-dama já havia comentado a sua ligação à comunidade surda durante a campanha: “Tenho um tio surdo e foi ele que plantou essa sementinha na minha vida. Despertou o meu amor pelas LIBRAS, fui estudar, aprendi sozinha e esse amor só foi aumentando”.

O jornal de Curitiba Gazeta do Povo escreve que “se  Michelle vier mesmo a assumir certo protagonismo no novo governo, teremos o resgate de uma tradição interrompida neste século. No Brasil, a primeira-dama tem uma função protocolar. Ela é não obrigada por lei a se envolver em funções públicas, mas, tradicionalmente, ocupa posições ligadas a causas sociais”. A primeira-dama “já afirmou que pretende participar de ‘todos os projetos sociais possíveis’ durante o mandato de seu marido”, acrescenta o jornal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)