Em 2019, a maior notícia para Portugal será a chegada do HBO Now. Ainda não há datas concretas, mas a entrada do serviço de streaming no mercado nacional será um passo que marcará a forma como se consome televisão em Portugal e vai concretizar a presença de três dos gigantes disponíveis (Netflix, Amazon e HBO). Fica só a faltar a Hulu. Até lá, Portugal estará um pouco órfão das novas séries da HBO (algumas delas destacadas neste artigo): exceto, claro, “Guerra dos Tronos”, que por cá é um exclusivo do Syfy.

Este será também um ano marcado por muitas adaptações de romances, banda-desenhada e de muitos super-heróis. Seria fácil fazer uma lista só com 20 títulos nesses parâmetros que se aguardam com muita expectativa. Essa será definitivamente uma das tendências para o próximo ano e “Watchmen” vai marcar um novo ciclo na HBO, com o fim de “Guerra dos Tronos”.

Novas séries

“Black Monday” (Showtime, estreia a 20 de Janeiro nos EUA, sem data de estreia em Portugal)

A Showtime não consegue passar sem uma série em volta de dinheiro e de mercados financeiros. “Billions” tem sido um bom entretenimento ao longo dos últimos anos (e voltará em Março para uma quarta temporada), mas é preciso renovar o stock de séries sobre um tema que nos últimos dez anos não deixou de estar em voga. “Black Monday” conta com Don Cheadle e transporta o espectador para a segunda-feira de 19 de outubro de 1987, data de uma das maiores crises bolsistas na história mundial. Uma ficção sobre como tudo aconteceu, as manipulações dos bastidores e a ambição desmesurada de Wall Street. Parece bem.

“Catch-22” (Hulu, sem data de estreia)

A sátira de Joseph Heller regressa aos ecrãs com uma equipa que sabe mais ou menos o que fazer com estas coisas: George Clooney e Grant Heslov. O livro de Heller surgirá no serviço Hulu (que continua sem estar disponível em Portugal) algures durante a próxima primavera, num formato de seis episódios. Tendo mão de Clooney e Heslov, responsáveis por “Argo” e “Boa Noite, e Boa Sorte”, é de esperar uma boa transposição para o mundo presente.

“Devs” (FX, sem data de estreia)

O talento de Alex Garland já era conhecido na escrita, mas os seus dois primeiros filmes, “Ex Machina” e “Annihilation” deram-lhe cartas para se ficar entusiasmado com tudo aquilo que tocasse. Toque de Midas? Há razões para achar que sim. Com “Devs” assina a sua primeira série, novamente no mundo da tecnologia, sobre uma engenheira informática e a sua investigação em volta da morte do seu namorado.

“Good Omens” (Amazon Prime, sem data de estreia)

Adaptação do romance escrito por Terry Pratchett e Neil Gaiman, “Good Omens” contará em seis episódios a batalha final entre o Céu e o Inferno, através de um demónio (David Tennant) e um anjo (Michael Sheen) que já vivem há algum tempo na terra e que estão habituados à vida por aqui: e como gostam de andar por cá, é fácil querer prevenir a vinda do Anticristo. Ao contrário do romance, a ação não decorrerá em 1990 mas no presente, 2018. O mundo não vai acabar com muito humor.

“Mrs. America” (FX, sem data de estreia)

Cate Blanchett estreia-se na sua primeira série norte-americana numa produção de época, inspirada numa história verdadeira. Blanchett interpretará Phyllis Schlafly, a conservadora anti-feminista que lutou contra a igualdade de género durante a década de 1970.

“Too Old to Die Young” (Amazon, sem data de estreia)

Goste-se ou não dos filmes de Nicholas Winding Refn (“Drive”, “Só Deus Perdoa” ou “O Demónio de Néon”), a verdade é que há no trabalho do dinamarquês uma atração especial, seja para dizer muito bem ou muito mal. Ainda não existe muita informação sobre “Too Old to Die Young”, mas sabe-se que será em volta do crime organizado e que deambulará pelo meio de vários grupos de mafiosos.

“Ultraman” (Netflix, 1 de abril)

Pouca atenção se dá em Portugal às séries de Anime produzidas pela Netflix, mas elas têm sido valentes, principalmente “Castlevania”. É um campo que em a Netflix investe bastante e que vai continuar a ser notícia em 2019, com a adaptação de “Ultraman” e, possivelmente, a estreia de “Cowboy Bebop” reimaginado para o mundo real, isto é, com atores de carne e osso a reinterpretarem uma das Anime mais divertidas de sempre (ainda não tem data de estreia, mas não seria surpresa se estreasse este ano). E na próxima primavera “Neon Genesis Evangelion” aparecerá – finalmente – no catálogo da Netflix, uma das melhores série de sempre, que passou em Portugal quando ainda não precisávamos de nos vingar dos 1990s, ou seja, precisamente durante os anos 1990. Se ficou admirado com “Black Mirror: Bandersnatch”, prepara-se para dar de caras com uma das maiores inspirações de Charlie Brooker.

“The Umbrella Academy” (Netflix, 15 de Fevereiro)

Desenvolvida por Steve Blackman, que já teve mão em séries como “Fargo” e “Legion”, “The Umbrella Academy” é uma adaptação da banda-desenhada de Gerard Way e Gabriel Bá, sobre um grupo de super-heróis que não são bem super-heróis. Tudo começa num belo dia em 1989, quando 43 mulheres, que não estão grávidas, dão à luz a 43 crianças. Um bilionário consegue resgatar seis delas e prepara-as para um apocalipse. “The Umbrella Academy” é um refresco nas séries de super-heróis, num momento em que a Netflix perdeu as séries da Marvel. Mistura “Perdidos” com o melhor que existia em “Heróis”, com o condão de ser divertida e de ter Mary J. Blige no papel de uma neo-nazi.

“The Witcher” (Netflix, sem data de estreia)

Se ainda não conhece os livros de Andrzej Sapkowski, talvez conheça os videojogos com o mesmo nome. Nada? Ora bem, “The Witcher” é uma série de livros, escritos pelo autor polaco, que se podem comparar a “Guerra dos Tronos” ou a “O Senhor dos Anéis”. Há muito sexo, corrupção, magia e coisas muito estranhas que se relacionam facilmente com o mundo real. Sabe-se que a série terá oito episódios e que contará com Henry Cavill no papel de Geralt Of Rivia, o feiticeiro que se aventura neste mundo de deboche e fantasia. Não é a primeira vez que “The Witcher” é adaptada ao pequeno ecrã, mas esta acontece num mundo mais habituado a estas fantasias e com o universo bem presente, graças ao sucesso dos videojogos.

“Watchmen” (HBO, sem data de estreia)

Dez anos após a excelente adaptação de Zach Snyder, “Watchmen” irá reaparecer novamente nos ecrãs, agora na TV. Snyder fez o quase-impossível de adaptar a obra de Alan Moore e Dave Gibbons, agora é a vez de Damon Lindelof (co-criador de “The Leftovers”) construir uma história dentro do universo de “Watchmen”, pegando nas personagens criadas por Alan Moore e desenvolvendo-as para novos contextos. Há razões para ficar entusiasmado, afinal Lindelof trouxe uma das melhores séries de televisão desta década e agarrou em alguns dos atores de “Leftovers” para dar vida a um dos universos mais importantes da banda-desenhada. “Watchmen” tem tudo para ser o novo “Guerra dos Tronos” da HBO.

Novas temporadas

“The Crown” — Temporada 3 (Netflix, sem data de estreia)

Ainda sem certezas se vai estrear-se neste ano (mas tudo indica que sim, lá mais para o final de 2019), a terceira temporada de “The Crown” trará grandes mudanças do elenco. Claire Foy deixará de ser a rainha, ficando o papel entregue a Olivia Colman, Helena Bonham Carter será a sua irmã Margaret e Tobias Menzies o Príncipe Filipe. É bom ficar já avisado, para ter tempo de ver as outras duas (ou para rever, se for caso disso). Se ainda não se cruzou com “The Crown”, não espere mais. Atire-se já. É uma das melhores séries da atualidade.

“Stranger Things” — Temporada 3 (Netflix, 4 de Julho) 

2018 foi um ano menos bom porque não houve “Stranger Things”, mas vai chegar com fogo-de-artifício no dia 4 de Julho (o Dia da Independência dos Estados Unidos). Continuando na senda das outras duas temporadas, a terceira será mais uma mistura de ficção científica e de nostalgia, com o melhor que a geração que agora viaja entre os 30  e os 40 deixou na infância e na adolescência.

“Black Mirror” — Temporada 5 (Netflix, sem data de estreia)

Já se sabe que “Black Mirror” pode surgir sem aviso e causar estrondo, como foi o caso de “Bandersnatch”, o filme interativo do que se falava há algumas semanas e que cujo lançamento foi anunciado na véspera da estreia. Continuamos e vamos continuar a falar do impacto que esta produção terá no modo como consumimos televisão. E entretanto continuamos à espera da série que, à conta do filme, ficou atrasada, mas deverá acontecer este ano.

“Big Little Lies” – Temporada 2 (HBO, primavera 2019)

Ainda não se sabe se o serviço de streaming HBO Now já estará disponível por alturas da estreia norte-americana de “Big Little Lies” e será uma pena ter de esperar pela segunda temporada. A primeira foi uma das séries mais elogiadas em 2017, a segunda contará com a presença de Meryl Streep. Este regresso não era suposto acontecer, mas entretanto Meryl Streep surgiu na mistura e tornou-se impossível recusar que acontecesse. É difícil imaginar como se desenvolverá naquele universo, mas é ainda mais difícil recusar Streep naquele contexto suburbano.

“Fleabag” – Temporada 2 (Amazon, sem data de estreia)

A primeira temporada de “Fleabag” estreou em 2016 e na altura o que parecia num sucedâneo de “Girls” tornou-se numa das séries mais divertidas desse ano e revelou o enorme talento de Phoebe Waller-Bridge. A segunda temporada de “Fleabag” parece encalhada, enquanto Phoebe ia aparecendo em “Han Solo: Uma História de Star Wars”, “Killing Eve”. Parece que é em 2019 que voltará às ruas de Londres com a sua perspicácia de millennial, carregada de humor e encalhada num terrível acontecimento do passado.

“Guerra dos Tronos” – Temporada 8 (Syfy, Abril)

Se só tem tempo para ver dez horas de televisão em 2019, elas terão de ser gastas na última temporada de “Guerra dos Tronos”. O evento televisivo desta década regressa para os derradeiros episódios. E estes terão de ser mesmo valentes, para compensar a falta de Westeros durante 2018. A televisão nunca mais foi a mesma depois de “Guerra dos Tronos” ter surgido e não será a mesma depois de acabar.

“Homeland” – Temporada 8 (Fox, sem data de estreia)

Custa, mas lá terá que ser. Após rumores de que tinha sido cancelada, “Homeland” terá mesmo direito a uma temporada final, que servirá para resolver algumas pontas soltas. Ainda não tem data de estreia, mas é de esperar que chegue em Janeiro ou Fevereiro.

“Killing Eve” – Temporada 2 (BBC America, primavera 2019)

Apesar da primeira temporada não ter passado em Portugal, “Killing Eve” foi das séries mais faladas em 2018. Se olhou para listas internacionais, estava sempre lá nos lugares cimeiros. A adaptação dos romances de Luke Jennings foi um sucesso e agora é só rezar que este thriller viciante chegue cá. Fazendo-se acompanhar da estreia da segunda temporada.

“Luther” – Temporada 5 (BBC One, 1 de Janeiro)

Já se passaram quatro anos desde a última temporada de “Luther” e se não fossem as notícias que davam conta de uma quinta, já se tinha perdido a esperança. A fabulosa personagem encarnada por Idris Elba está de regresso, Ruth Wilson reaparece no seu papel de Alice, uma Moriarty dos tempos modernos.

“Mr. Robot” – Temporada 4 (TV Séries, sem data de estreia)

Rami Malek pode ser agora internacionalmente conhecido graças ao seu papel como Freddie Mercury. Conseguiu esse papel em parte graças ao seu fabuloso desempenho em “Mr. Robot”, a série criada por Sam Esmail que criou uma das melhores revoluções possíveis no século XXI. A quarta temporada será a última de uma série que soube ler como poucas o mundo tecnológico e financeiro em que vivemos. Se um dia a revolução acontecer como é descrita em “Mr. Robot”, não haverá razões para muito espanto: Esmail desenhou um mundo e uma revolução bastante credíveis.

“Star Trek: Discovery” – Temporada 2 (Netflix, 18 de Janeiro)

Quem diria que “Star Trek” poderia surpreender em televisão em 2017? Foi isso que aconteceu com este “Discovery”, uma das melhores séries sobre o espaço de que há memória e um deleite de ficção científica. Se a segunda temporada mantiver a qualidade da primeira, “Discovery” será um clássico em muito pouco tempo e baterá a nostalgia pelas temporadas clássicas – e já velhinhas – de “Star Trek”.

“The Affair” – Temporada 5 (TV Séries, sem data de estreia)

Será a última temporada de “The Affair” e uma que terá de equilibrar bem os valentes twists da quarta temporada, com a morte de Alison. Ao que parece, a série acontecerá uns anos mais à frente, seguindo a história da filha de Cole e Alison, que será desempenhada por Anna Paquin.

“The Punisher” – Temporada 2 (Netflix, Janeiro)

A par das primeiras temporadas de “Daredevil” e “Jessica Jones”, “The Punisher” tem uma das melhores primeiras temporadas de séries de super-heróis da Netflix — e não só. Numa altura em que a Netflix perdeu os direitos para as séries da Marvel, esta segunda temporada será um dos últimos hurrah da produtora neste universo, por isso é de esperar que dê tudo nestes novos episódios do vigilante mais duro do universo dos super-heróis da Marvel.

“True Detective” – Temporada 3 (HBO, 13 de Janeiro)

Tornou-se televisão de referência em 2014, uma desilusão em 2015. Foi assim a carreira das duas temporadas de “True Detective”, segundo o vox populi, a série de Nic Pizzolatto foi de clássico a barrete de uma temporada para a outra (para que fique claro, este que vos escreve gosta muito da segunda temporada). A terceira temporada chega à HBO norte-americana a 13 de Janeiro (e com a incerteza da chegada do serviço HBO Now a Portugal, não se sabe quando os episódios chegarão a este lado) e já começaram a surgir as primeiras críticas: parece que é um regresso à boa-forma da primeira temporada. Os detetives principais desta temporada serão encarnados por Mahershala Ali e Stephen Dorff e a história dá constantes saltos temporais entre 1980, 1990 e 2015. Parece que o descanso de mais de três anos fez bem a “True Detective” e a terceira temporada vai curar todas as mazelas que a segunda temporada provocou aos mais puristas.