Acidente Rodoviário

Mortes na estrada. Número de vítimas volta a subir pelo segundo ano consecutivo

175

Em 2017, morreram 510 pessoas nas estradas portuguesas. No ano seguinte, foram 512 vítimas mortais. Desde 1996 que não se verificava a subida do número de vítimas durante dois anos consecutivos.

José Coelho/LUSA

O ano de 2018 voltou a ser negro nas estradas portuguesas e marcou o regresso a uma tendência que não se verificava desde 1996. O número de mortes nas estradas voltou a subir pelo segundo ano consecutivo, para pelo menos 512 vítimas mortais. Em 2017, o número de vítimas já tinha aumentado para 510.

Medidas como a redução da velocidade nas localidades, inspeções obrigatórias para motociclos e o controlo do uso de telemóveis ao volante, que o Governo anunciou há quase um ano, após a reunião da Comissão Interministerial para a Segurança Rodoviária, no âmbito do Plano Estratégico Nacional de Segurança Rodoviária (PENSE 2020), ainda não saíram do papel, diz o Jornal de Notícias (JN).

A meta prevista neste plano seria chegar a 2020 com 399 mortes nos 30 dias após o acidente, mas os números continuam a ser bastante superiores. Em 2017, no prazo dos 30 dias, registaram-se 602 vítimas mortais nas estradas portuguesas. 

“Temos tido planos e estratégias, mas a passagem do papel para a realidade é uma parte do problema”, referiu João Queiroz, presidente da Associação Estrada Mais Segura, ao JN, acrescentando que o aumento da sinistralidade rodoviária verificou-se também com a diminuição dos efeitos da crise económica. “Nos anos da crise, houve menos pessoas na estrada, velocidades mais moderadas e menos jovens a comprar carro. Agora que existe a perceção de que a crise acabou, o efeito deixa de se sentir”.

Já João Miguel Trigoso, presidente da Prevenção Rodoviária Portuguesa, dá exemplos de medidas que precisam de ser implementadas, como a promoção de campanhas que levem os peões e condutores a alterar os comportamentos e uma fiscalização mais eficaz e que garanta punições gravosas o suficiente para convencer os portugueses de que a lei é para ser cumprida.

A tendência é agora diferente da que se verificou até 2016, quando Portugal conseguiu um dos resultados mais positivos da União Europeia: o número de vítimas mortais diminuiu para 445, acompanhando a diminuição sustentada que se registava desde 1997.

No final de 2018, a Guarda Nacional Republicana (GNR) fez um último balanço da Operação “Ano Novo” e registou oito mortos e 18 feridos nas estradas desde o dia 28 de dezembro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)