Crédito

Bancos portugueses reduzem 19 mil milhões de crédito malparado desde os máximos de 2016

O total de crédito malparado nos bancos portugueses caiu 19,2 mil milhões de euros entre junho de 2016, ano em que atingiu valores máximos. A redução deveu-se à queda nos empréstimos de incumprimento.

Em termos relativos, a queda entre junho de 2016 e setembro de 2018 foi de 38%

Jose Sena Goulao/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O total de crédito malparado nos bancos portugueses caiu 19,2 mil milhões de euros entre junho de 2016, o momento em que atingiu o valor máximo, e setembro do ano passado, segundo dados esta quinta-feira divulgados pelo Banco de Portugal.

O banco central indica, na síntese de desenvolvimentos do sistema bancário português referente ao terceiro trimestre de 2018, que a redução do malparado (‘non-performing loans’, expressão em inglês para crédito malparado) se deveu, sobretudo, a uma queda de 12,2 mil milhões de euros nos empréstimos em incumprimento das empresas e 4,6 mil milhões nos de particulares.

Em termos relativos, a queda entre junho de 2016 e setembro de 2018 foi de 38%.

Apesar desta redução, os bancos portugueses estão obrigados a acelerar a diminuição do crédito malparado, uma vez que estes ativos penalizam muito o balanço dos bancos e o sistema bancário português ainda tem um valor bem acima da média europeia.

Nos últimos dias de 2018, tanto o Novo Banco como o Montepio anunciaram vendas de carteiras de malparado.

O Novo Banco alienou a fundos de investimento 102 mil contratos no valor de 2.150 milhões de euros. Já a Caixa Económica Montepio Geral vendeu 10 mil contratos no valor de 239 milhões de euros a uma empresa da Irlanda. Nenhum divulgou os valores do negócio.

Os bancos vendem a carteira de crédito malparado para melhorar o seu balanço. Contudo, esta medida pode ter um impacto negativo nos resultados caso haja necessidade de suprir a diferença a que os créditos estão registados no balanço e o valor a que são vendidos.

Ainda segundo os dados divulgados esta quinta-feira pelo Banco de Portugal, em setembro passado o crédito malparado nos bancos portugueses representava 11,3% do crédito total, menos 0,4 pontos percentuais do que em junho, o que se justifica com a “redução do stock de empréstimos non-performing em 1,3 mil milhões de euros”, sobretudo devido à redução do malparado nos empréstimos a particulares para compra de casa que caiu 269 milhões de euros no trimestre.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)